Temer já recebe no Jaburu deputados que votaram a favor do impeachment

BRASÍLIA — O vice-presidente Michel Temer passou o dia cercado de aliados que acompanhavam, do Palácio do Jaburu, a sessão que analisou o impeachment da presidente Dilma Rousseff. Estirados em um grande sofá de tecido bege em uma sala no subsolo da residência oficial do vice, peemedebistas vibravam a cada voto “sim” transmitido na televisão de 50 polegadas.

Ao seu lado, os ex-ministros do governo Dilma Eliseu Padilha e Henrique Alves, além dos ex-deputados Sandro Mabel e Tadeu Filipelli. Conforme avançava a votação e se confirmava o abismo de votos a favor do impeachment, aliados que trabalharam arduamente para aprovar o processo, como o senador Romero Jucá (PMDB-RR), se dirigiam à residência. Após votarem, deputados também começaram a desembarcar no Palácio do Jaburu, que esperava receber dezenas de parlamentares na noite deste domingo.

Para distrair, bolos, biscoito, quibes, suco e água. Não haveria jantar formal, nem champanhe.

– Champanhe, só depois de o Senado aprovar. Não se pode comemorar por antecedência – disse um dos presentes.

Estavam todos a postos para garantir o maior número possível de votos a favor do impeachment e enfraquecer um dos pontos centrais de estratégia do governo, que consistia em forçar ausências para que a oposição não atingisse os 342 necessários. Aviões foram disponibilizados para aqueles que não conseguissem voar até a capital, mas, segundo peemedebistas, não foi preciso usá-los.

Nas contas do grupo de Temer, antes da votação, já haviam garantidos 373 votos a favor do impeachment. Ao lado de Temer, Eliseu Padilha acompanhou voto a voto a confirmação de cada deputado em sua planilha. Teve três surpresas agradáveis. Somente era interrompido por Michelzinho, o filho de sete anos do vice-presidente. A vice-primeira dama, Marcela Temer, não se juntou ao grupo e permaneceu no andar superior da residência durante toda a tarde com a mãe, que veio a Brasília especialmente para acompanhar o grande momento do genro.

Por cuidado, Temer decidiu não dar entrevistas.

Já a presidente Dilma Rousseff acompanhou a votação do impeachment no Palácio do Alvorada com seu principal auxiliar, o assessor especial Giles Azevedo, o ministro chefe de gabinete, Jaques Wagner, o ministro da Secretaria de Governo, Ricardo Berzoini, e os governadores Tião Viana (PT- AC), Valdez Goes (PDT-AC) e Camilo Santana (PT-CE). O ex-presidente Lula passou a maior parte do dia com Dilma, mas voltou para o hotel que se transformou em seu QG pouco antes da votação. O ex-presidente retornou ao Alvorada quando 113 votos já haviam sido computados e o deputado Elizeu Dionizio (PSDB-MS) votava sim, encerrando sua fala com o jargão “tchau, querida”. Nesse momento, estavam todos calados dentro do Alvorada, concentrados, fazendo as contas dos votos.

Fonte: Júnia Gama e Cristiane Jungblut  do site http://oglobo.globo.com
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Barra Do Corda portal de notícias, tudo sobre a nossa cidade com:

Rapidez, Verácidade e Ética.

Não se esqueça de se inscrever para receber nossas notícias. Digite seu e-mail e saiba tudo sobre Barra do Corda a nossa cidade.

Informações

Chat
Enviar via WhatsApp
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com