Temer: Dilma não resiste sem apoio

O vice-presidente Michel Temer disse nesta quinta-feira (3), em São Paulo, que se a presidente Dilma Rousseff mantiver os atuais índices de popularidade será “difícil” resistir a mais três anos e meio de governo (ouça ao lado a gravação).

Ele fez a afirmação durante debate em São Paulo com o grupo Política Viva, organização que se autointitula suprapartidária e reúne empresários e estudiosos.

Segundo o vice-presidente, a taxa de popularidade é “mais ou menos cíclica”, mas, para melhorar, é necessária uma reação da economia, com o apoio dos políticos.

“Hoje, realmente o índice é muito baixo. Ninguém vai resistir três anos e meio com esse índice baixo. Muitas vezes, se a economia começar a melhorar, se a classe política colaborar, o índice acaba voltando ao patamar razoável. O que nós precisamos não é torcer, é trabalhar para que nós possamos estabilizar essas relações. Se continuar assim, eu vou dizer a você, para continuar 7%, 8% de popularidade, de fato fica difícil passar três anos e meio”, declarou.

Pesquisa Datafolha divulgada em 8 de agosto indicou que, na ocasião, 8% dos entrevistados aprovavam o governo e 71% reprovavam – 20% consideravam o governo “regular”.

Durante o debate com Temer, houve um momento de tensão quando questionou o vice-presidente usando a palavra “oportunista”.

“Jamais seria oportunista, percebe? Quero deixar isso muito claro para o senhor. Em momento nenhum eu agi de maneira oportunista. Eu vou dizer ao senhor: muitas e muitas vezes dizem assim: ‘O Temer quer assumir o lugar da presidente’. Eu não movo uma palha porque aí sim eu seria oportunista. Aí, eu violaria a minha história”, afirmou.

Impostos
Temer defendeu a possibilidade de aumento temporário da alíquota de um imposto já existente como saída para as crises econômicas e política. Ele ressalvou, no entanto, que antes é preciso cortar gastos e “enxugar” contratos.

Na última quinta-feira (27), o ministro da Saúde, Arthur Chioro, confirmou a proposta do governo de criar imposto para financiar a saúde. A motivação do novo tributo seriam as dificuldades do governo para cobrir as despesas de 2016. A medida sofreu forte resistência no meio político e, no sábado, o governo desisitiu da proposta.

“A hipótese é tentar cortar gastos. Se você enxugar contratos, por exemplo, você consegue fazer… Eu sugeri isso hoje. Conversei com o ministro Levy e o ministro Barbosa antes de vir para cá e disse exatamente isso. […] Se, ao final, se for preciso em algum momento, quando muito, você pode pegar algum tributo existente e aumentar um pouquinho a alíquota temporariamente, porque você não pode aumentar uma aliquota que seja permanente. Então, você aumenta temporariamente mas se for necessário ainda”, declarou.

No evento, Temer também disse que argumentou contra a volta da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF).

O vice-presidente disse que, na próxima terça-feira, terá um jantar com sete governadores doPMDB, os presidentes da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e do SenadoRenan Calheiros(PMDB-AL), para tentar encontrar caminhos para conter a crise.

Joaquim Levy
O vice-presidente também declarou no evento que defendeu a permanência  do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, no cargo e afirmou que o chefe da pasta possui “apoio pleno do PMDB”.

Informações de que Levy poderia deixar a equipe econômica deixaram o mercado financeiro apreensivo nesta quinta. O ministro chegou a cancelar viagem à Turquia, para reunião com ministros da economia de outros países, a fim de se reunir com a presidente Dilma Rousseff. No fim da tarde, o ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, afirmou que Levy não deixará o governo. À noite, o ministro da Fazenda acabou voltando atrás e decidiu viajar para a Turquia.

“Ainda hoje, falei com ele [Levy] que ele tem apoio pleno do PMDB. Ele disse que o PMDB está contra, e eu disse: ‘Nada disso’. A saída dele agora seria muito prejudicial para o país”, declarou.

Temer afirmou, ainda, que o Brasil passa por uma crise econômica e política, mas não uma crise institucional. Para o vice-presidente, é necessário pacificar o país. Ele demonstrou expectativa de que a recuperação da economia, em meados do ano que vem, afaste a crise política.

Fonte: Roney Domingos Do G1 SP

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Barra Do Corda portal de notícias, tudo sobre a nossa cidade com:

Rapidez, Verácidade e Ética.

Não se esqueça de se inscrever para receber nossas notícias. Digite seu e-mail e saiba tudo sobre Barra do Corda a nossa cidade.

Informações

Chat
Enviar via WhatsApp
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com