Odebrecht também pagou propina para Zelada, afirma PF

CURITIBA E SÃO PAULO — A construtora Odebrecht pagou propina ao ex-diretor da área internacional da Petrobras, Jorge Zelada, em troca de benefícios em um contrato da estatal, segundo a Polícia Federal (PF). A revelação consta do relatório final de indiciamento do ex-diretor, que está preso em Curitiba e responderá pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e evasão de divisas, relacionados a outro contrato na estatal.

Até então, a Odebrecht era acusada de pagar propina aos ex-diretores de Serviços, Renato Duque, e de Abastecimento, Paulo Roberto Costa, além do ex-gerente Pedro Barusco. Em julho, o presidente da empresa, Marcelo Odebrecht, e mais 12 pessoas, foram denunciados por corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Segundo documentos enviados por autoridades suíças aos procuradores da Lava-Jato, anexados ao processo de Zelada e revelado neste domingo, o grupo Odebrecht depositou, entre 2008 e junho de 2014, 130 milhões de dólares e 21 milhões de euros na conta da offshore Klienfeld, sediada nas Ilhas Virgens Britânicas.

Por sua vez, a Klienfeld efetuou um depósito de 571,4 mil dólares, em maio de 2010, na conta da empresa Tudor Advisory Inc., mantida na Suíça. Os investigadores obtiveram a ficha de abertura da conta da Tudor no banco suiço Lombard Odier, onde consta o nome de Jorge Zelada como beneficiário.

 

A PF sustenta que o pagamento está relacionado ao contrato assinado pela Petrobras com a Odebrecht em outubro de 2010, por 825,6 milhões de dólares, para que a construtora cuidasse da segurança ambiental das empresas da estatal em dez países.

A auditoria interna da Petrobras verificou que Jorge Zelada atuou, desde dezembro de 2009, para que o contrato fosse centralizado em apenas uma empresa, apesar da oposição da área técnica na estatal. A Odebrecht seria escolhida para prestar o serviço depois de participar de licitação que teve como concorrentes a Camargo Corrêa e a Andrade Gutierrez, empresas acusadas de participar de um cartel na estatal.

CHURRASCO EM ITAIPAVA

Os investigadores ainda não identificaram quem seriam os funcionários da Odebrecht responsáveis pelo pagamento a Zelada. Mas relataram, no documento, a proximidade do ex-diretor com Rogério Araújo, executivo da Odebrecht. Há registro de reuniões de Araújo com Zelada na mesma época em que o contrato era negociado, em 2010.

Em 2012, Araújo convidou Zelada por e-mail para uma confraternização: “vamos fazer um churrasquinho em Itaipava no fim de semana? Tenho acomodação para vocês passarem o fim de semana na Serra! Gonçalves disse que comanda o churrasco!”, escreveu para Zelada, Pedro Barusco e Roberto Gonçalves, ex-gerente na estatal.

O GLOBO perguntou à Odebrecht se os recursos depositados pela empresa na conta da Klienfeld eram para pagar propina, como sustentou a PF. A construtora preferiu não se manifestar.

Sobre a acusação de favorecimento na licitação para assumir a segurança ambiental da Petrobras no exterior, a Odebrecht disse negar a existência de “qualquer irregularidade nos contratos firmados com a Petrobras, todos conquistados de acordo com a lei de licitações públicas”. A empresa informou ainda que o contrato citado “resultou de licitação pública vencida por menor preço, em 2010”.

(*) Especial para O Globo.

O ex diretor da área Internacional da Petrobras, Jorge Luiz Zelada está preso em Curitiba – Paulo Lisboa / Agência O Globo
Fonte: POR THAIS SKODOWSKI* E THIAGO HERDY do http://oglobo.globo.com/
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Barra Do Corda portal de notícias, tudo sobre a nossa cidade com:

Rapidez, Verácidade e Ética.

Não se esqueça de se inscrever para receber nossas notícias. Digite seu e-mail e saiba tudo sobre Barra do Corda a nossa cidade.

Informações

Chat
Enviar via WhatsApp
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com