Ex-prefeita de Dom Pedro é presa na Operação Imperador, no MA

A ex-prefeita de Dom Pedro, no Maranhão, Maria Arlene Barros, foi presa temporariamente por cinco dias, nesta terça-feira (31), em São Luís, durante a “Operação Imperador”, da Polícia Civil, que investiga o envolvimento de gestores públicos com esquemas de agiotagem para fraudar licitações na cidade. A polícia afirma que mais de R$ 5 milhões foram desviados da prefeitura entre 2009 e 2012 (veja as imagens da prisão da ex-gestora no vídeo).

A “Operação Imperador” é um desdobramento da “Operação Detonando”, iniciada após o assassinato do jornalista Décio Sá, em 2012, que prendeu os empresários Gláucio Alencar e José Miranda, pai e filho acusados de mandar matar o repórter e de comandar um esquema de agiotagem em 42 prefeituras do Maranhão. Na época, a polícia descobriu que o que motivou o assassinato foi uma postagem, no “Blog do Décio”, referente à morte do agiota Fábio Brasil, no Piauí.

Segundo o delegado-geral da Polícia Civil Augusto Barros, que era da Superintendência Estadual de Investigações Criminais (Seic) em 2012, a apreensão de documentos revelou o esquema. “Naquela ocasião, foram apreendidas dezenas de caixas de documentos. Eram cheques contratos, documentos relativos a processos licitatórios. Esses mesmos documentos indicaram que havia ligação estreita daquele grupo de agiotas com diversos gestores e ex-gestores públicos do Maranhão”, explicou Barros.

Delegado Roberto Fortes, responsável pela "Operação Imperador" (Foto: Clarissa Carramilo / G1)
Delegado Roberto Fortes, responsável pela  ‘Ope-
ração Imperador’ (Foto: Clarissa Carramilo / G1)

Operação
O delegado responsável pela operação Roberto Fortes disse, em entrevista coletiva realizada na tarde desta terça-feira, na sede da Secretaria de Segurança Pública, em São Luís, que a polícia chegou aos envolvidos após a análise de documentos e da quebra de sigilo fiscal dos suspeitos.

“Foram identificadas mais de dez empresas em nomes de laranjas com o objetivo fraudar licitações referentes a recursos da merenda escolar, aluguel de máquinas e de carros, e medicamentos”, disse.

O nome da operação faz referência ao líder do esquema, conhecido como Imperador, que seria parente da prefeita. Ele está foragido. Outras quatro pessoas, que seriam “laranjas”, foram detidas e liberadas após interrogatório.

Na operação, foram apreendidos carros de luxo, máquinas pesadas como tratores, documentos e descoberta uma conta com saldo de mais de R$ 5 milhões. “[O imperador] possui vários RGs, CPFs, títulos de eleitor e com isso abria várias contas e empresas com o objetivo de lavar dinheiro”, explicou o delegado Fortes.

Secretário Jeferson Portela fala sobre operação em coletiva (Foto: Clarissa Carramilo / G1)
Secretário Jeferson Portela fala sobre operação
em coletiva (Foto: Clarissa Carramilo / G1)

O advogado da ex-prefeita Marcos Vinícius disse ao G1, por telefone, que o pedido de prisão foi fundamentado na falta de residência fixa da ex-prefeita. “É um pedido de prisão contraditório, pois, na hora da prisão, souberam encontrar o endereço dela. Vamos protocolar ainda hoje o pedido de revogação da prisão”, disse.

De acordo com o delegado, os suspeitos de envolvimento poderão responder, ao final do inquérito, a crimes como associação criminosa, lavagem de dinheiro, peculato e corrupção ativa e passiva.

O secretário de Segurança Pública Jeferson Portela garantiu que as 42 prefeituras estão sendo investigadas e que inquéritos serão abertos para a investigação de cada uma delas.

Fonte:  G1 MA

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Barra Do Corda portal de notícias, tudo sobre a nossa cidade com:

Rapidez, Verácidade e Ética.

Não se esqueça de se inscrever para receber nossas notícias. Digite seu e-mail e saiba tudo sobre Barra do Corda a nossa cidade.

Informações

Chat
Enviar via WhatsApp
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com