‘Época’: deputados dão sinal de esquizofrenia política por interesses

Os políticos brasileiros parecem não ter entendido uma das lições do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff: O preço da leniência com as contas públicas é muito alto. Por causa da incúria fiscal dos governos petistas, os brasileiros sofrem hoje com a maior recessão de toda a história da República. Apesar disso, os deputados federais acabam de aprovar regime de urgência para a votação pela Câmara de projetos de lei que dão reajustes salariais para os servidores do Poder Judiciário (entre 16,5% e 41,47%) e para os ministros do Supremo Tribunal Federal (cuja remuneração subiria dos atuais R$ 33.763,00 para R$ 39.293,38 mensais). Além disso, ganhou prioridade a votação de um projeto que reestrutura as carreiras dos servidores do Ministério Público Federal. Sua aprovação implicará também aumentos salariais.

>> O rombo de bilhões deixado por Dilma

A nova pauta-bomba é sinal de uma esquizofrenia política aguda. O Estado brasileiro está em marcha rumo à insolvência. O deficit do setor público brasileiro chegou em fevereiro a 10,75% do PIB – mesmo nível de países europeus que foram à bancarrota.  A agência de classificação Fitch voltou a reduzir a nota de crédito do país. Por causa da “contabilidade destrutiva” do governo Dilma, a própria Câmara dos Deputados acabou de aprovar, há menos de 20 dias, a admissibilidade do processo de impeachment da presidente. O país precisa, urgentemente, de um plano de redução e estabilização  dos gastos públicos. No entanto, os projetos que ganharam urgência na Câmara jogam gasolina na fogueira. O reajuste dos ministros do STF deverá gerar gastos adicionais de R$ 717,1 milhões com os subsídios de magistrados. O aumento dos servidores do Judiciário acarretará despesas extras de R$ 5,99 bilhões ao ano.

A esquizofrenia política brasileira tem uma série de sintomas patológicos. Há uma completa falta de governança entre os Três Poderes – Executivo, Judiciário e Legislativo – no enfrentamento da crise. É um sinal de alheamento da gravidade da situação do país que a cúpula do Judiciário patrocine um projeto de reajuste  de 16,38% dos próprios vencimentos. O STF, que assume cada vez maior protagonismo na cena política, deveria assumir também a vanguarda da austeridade. Além disso, há um populismo fiscal entranhado entre os políticos – agravado agora pela indisfarçável vontade de vingança dos aliados da presidente Dilma Rousseff. Eles declararam apoio à aprovação de todos os aumentos salariais para os servidores – com a intenção de criar constrangimentos políticos para um governo do vice-presidente Michel Temer.

>>Você votou neles: eles vão honrar seu voto?

Outra patologia da política brasileira é o corporativismo arraigado. Os deputados não querem se indispor com integrantes de corporações poderosas como o Judiciário e o Ministério Público Federal. Os lobbies organizados prevalecem. A sociedade que não consegue fazer ouvir sua voz só pode se perguntar: a quem apelar?

Fonte: http://epoca.globo.com

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Barra Do Corda portal de notícias, tudo sobre a nossa cidade com:

Rapidez, Verácidade e Ética.

Não se esqueça de se inscrever para receber nossas notícias. Digite seu e-mail e saiba tudo sobre Barra do Corda a nossa cidade.

Informações

Chat
Enviar via WhatsApp
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com