Dinheiro apreendido na 9ª etapa da Lava Jato soma R$ 3,1 milhões, diz PF

O valor do dinheiro apreendido pela Polícia Federal (PF) durante a nona fase da Operação Lava Jato na sede da empresa Arxo, em Itajaí (SC), somou R$ 3,186 milhões. Segundo os policiais, as notas estão divididas em reais, dólares e euros. A empresa mantinha contratos com a BR-Distribuidora e é suspeita de estar envolvida em um esquema de pagamento de propina.

Para contabilizar todo o dinheiro, a PF demorou quase dois dias. O valor foi divulgado pela Polícia Federal na manhã deste sábado (7).

A Arxo Industrial do Brasil chegou a estabelecer um contrato de R$ 85 milhões com a BR Distribuidora, segundo a PF. A parceira foi firmada em outubro de 2014, maior contrato até então da empresa com a petroleira. Pelo documento, a Arxo deve entregar 80 caminhões-tanque para abastecimento de aeronaves, os CTAs, no prazo de 18 meses. Os primeiros veículos devem ser entregues neste mês.

Em nota divulgada à imprensa, a Arxo afirma que o dinheiro encontrado no cofre da empresa seria utilizado em “pagamentos da empresa”. O procurador jurídico da companhia, Charles Zimmermann, disse no comunicado que todos os valores foram “contabilizados”. “Havendo indícios de fraude, o que não é o caso da Arxo, que está tudo contabilizado, é apurado o tipo de crime praticado”, destacou Zimmermann na nota.

Por volta das 19h de sexta-feira (6), chegou a Curitiba o terceiro preso desta fase da Lava Jato. João Gualberto Pereira é um dos proprietários da Arxo e estava em viagem aos Estados Unidos quando teve o mandado de prisão temporária expedido. Ele está preso na Superintendência da PF, assim como Gilson Pereira, sócio proprietário da empresa, e Sergio Marçaneiro, diretor financeiro.

Mário Goes, suspeito de ser um dos operadores do esquema de pagamento de propina, é considerado pela PF como foragido. Ele teve um mandado de prisão preventiva expedido pela Justiça.

A nova fase da operação se destina a colher provas sobre a participação de 11 operadores em um esquema ligado à diretoria de Serviços da Petrobras envolvendo pagamento de propina e lavagem de dinheiro na estatal. O esquema investigado teria atuado até 2014.

A operação foi batizada de “My Way” (meu jeito), em referência ao ex-diretor da área de Serviços Renato Duque. Segundo Pedro Barusco, ex-gerente da Petrobras e um dos delatores do esquema, Duque era conhecido dessa forma.

A nona fase da operação foi realizada em São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia e Santa Catarina. Foram expedidos 62 mandados.

Fonte: G1 PR

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Barra Do Corda portal de notícias, tudo sobre a nossa cidade com:

Rapidez, Verácidade e Ética.

Não se esqueça de se inscrever para receber nossas notícias. Digite seu e-mail e saiba tudo sobre Barra do Corda a nossa cidade.

Informações

Chat
Enviar via WhatsApp
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com