Dilma reforça segurança, e Brasília se prepara para atos durante semana

BRASÍLIA — O acirramento do discurso e o ambiente radicalizado por parte dos que defendem o governo e os que pregam o impeachment da presidente Dilma Rousseff provocaram mudanças na rotina da chefe de Estado. Temendo ameaças à segurança por conta das manifestações, o gabinete pessoal decidiu que Dilma só faz viagens para cidades onde o evento ocorrerá em local controlado e no qual a plateia será favorável. Estes dois critérios passaram a ser chave na seleção de viagens presidenciais. Desde que se agravou a crise política, com a divulgação de interceptações de telefonemas entre ela e o ex-presidente Lula, Dilma só saiu de Brasília para entregar residências a beneficiários do Minha Casa Minha Vida em Feira de Santana (BA) e no Rio — onde também inaugurou o Estádio Aquático das Olimpíadas —, e batizar um navio adquirido pela Marinha, em Salvador. Na Páscoa, a presidente fez uma visita-relâmpago à família em Porto Alegre.

— A seleção de agendas está sendo feita com muito cuidado pelo gabinete para diminuir ao máximo o risco, num momento em que quase tudo tem risco — explica um dos responsáveis pela segurança da presidente.

A preocupação em garantir a integridade física de Dilma também motivou reforço na segurança da residência oficial da presidente, o Palácio da Alvorada. No local, ponto turístico em Brasília, foram montadas barreiras ampliadas de isolamento, restringindo o acesso de motoristas, pedestres e ciclistas que normalmente podem chegar até a porta do palácio. As visitas guiadas das quartas-feiras, por dentro do Alvorada, obra do arquiteto Oscar Niemeyer, foram suspensas.Desde a intensificação dos protestos contra a presidente, agentes e militares estão de prontidão. Segundo o general Marcos Antônio Amaro dos Santos, chefe da segurança da presidente, o efetivo do Batalhão da Guarda Presidencial escalado para o dia a dia do Palácio do Planalto, local de trabalho de Dilma, é calculado de acordo com estudos de situação.

MANIFESTANTES INFLITRADOS

No dia da nomeação de Lula para a Casa Civil, por exemplo, o Exército informou que recebeu um pedido de reforço para a segurança das dependências da Presidência — tanto o Planalto quanto o Alvorada. Naquele mesmo 16 de março, foram divulgados diálogos de Dilma com Lula, em que ela sugere que seu antecessor leve consigo o termo de posse para usar “em caso de necessidade”. O fato gerou protestos pelo país. Avolumou-se na porta do Planalto uma multidão de pelo menos cinco mil pessoas pedindo a prisão de Lula e o impeachment de Dilma.

De lá para cá, a presidente transformou o Planalto em uma base de segurança para pronunciamentos e apoio popular. Nas últimas duas semanas realizou seis eventos que serviram de palco para discursos pela “defesa da legalidade e da democracia”. Na plateia, juristas, artistas, mulheres que apoiam o governo e beneficiários de programas sociais. A entrada é controlada. Embora nem todos os eventos contem com lista de convidados, todos que entram no prédio passam por detectores de metais. Esse monitoramento não impede, portanto, que adversários se infiltrem no meio da plateia pró-governo. No dia da posse de Lula, o deputado Major Olímpio assistia ao discurso de Dilma no Salão Nobre do Planalto e a interrompeu, aos gritos de: “Vergonha!”. Na semana passada, a militante pró-impeachment Kelly Bolsonaro entrou no mesmo salão vestida com a camiseta “Impeachment é democracia”. Ambos foram retirados por seguranças.

— Se alguém faz uma manifestação verbal mais agressiva, que pode dificultar o prosseguimento do evento, é retirado — explica o general Amaro.

A PM do DF informou que sete mil agentes estão de prontidão. Desde o dia 13 de março, foram empregados, em média, 327 policiais por manifestação, chegando a dois mil nos maiores protestos.

Embora tenham ocorrido casos de brigas entre manifestantes e de arremesso de pedras, rojões e outros objetos contra os policiais, a PM-DF informou que ninguém foi preso. Para os próximos dias, a Esplanada terá um esquema de segurança diferente. O tenente-coronel da PM, Antônio Carlos, informou que os dois grupos de manifestantes, contra ou a favor do governo, poderão acompanhar a votação na Câmara, mas serão separados por grades:

— Estamos fazendo um planejamento cuidadoso. Não vamos deixar que os grupos digladiem entre si.

O acesso à Praça dos Três Poderes será bloqueado. Agentes também estarão à paisana nos protestos para evitar infrações pelos manifestantes.

*Estagiário sob supervisão de Francisco Leali

Fonte: http://oglobo.globo.com

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Barra Do Corda portal de notícias, tudo sobre a nossa cidade com:

Rapidez, Verácidade e Ética.

Não se esqueça de se inscrever para receber nossas notícias. Digite seu e-mail e saiba tudo sobre Barra do Corda a nossa cidade.

Informações

Chat
Enviar via WhatsApp
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com