Debate sobre pacto federativo prossegue com marcha de prefeitos a Brasília

O debate sobre a revisão do pacto federativo, tema de encontro com governadores realizado no Congresso Nacional, volta à pauta nesta semana. O presidente do Senado, Renan Calheiros, deve reunir-se com prefeitos das principais cidades brasileiras na quinta-feira (28), três dias depois do início da Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios. Os prefeitos apresentarão suas principais reivindicações ao Poder Legislativo, assim como fizeram os governadores em reunião com Renan e o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Um dos principais resultados da reunião com os governadores foi a criação da Comissão Especial de Assuntos Federativos, que vai identificar todas as propostas em tramitação no Senado que têm relação com o pacto federativo e buscar um consenso para acelerar a votação. A informação foi confirmada pelo presidente do colegiado, senador Walter Pinheiro (PT-BA) e pelo relator, senador Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE).

– Eu estou animado de que a gente possa entregar, de forma efetiva, deliberações do Congresso Nacional que vão animar a sociedade brasileira a encontrar os caminhos para a saída da crise – disse Bezerra em entrevista à Rádio Senado nesta segunda-feira (25).

Após definir o desenvolvimento regional como motor da economia, Walter Pinheiro disse que “não haverá crescimento sem que estados e municípios sejam fortalecidos”. Para o relator, o verdadeiro ajuste econômico passa pelo fortalecimento desses entes federativos.

– Nessa hora não tem partido. Aqui, os estados e municípios são prioridades. O encontro com os governadores tem que ser traduzido em ações práticas no Plenário do Senado – defendeu.

Proposições

De acordo com Walter Pinheiro, há vários projetos que serão identificados e reunidos para votação, a fim de que o Senado possa “dar sua contribuição à solução da crise e à sustentação do país”. Essa contribuição, segundo o presidente do colegiado, começa nos municípios, passa pelos estados e, depois, chega à União.

Questionado sobre a possibilidade de alteração na lei de Responsabilidade Fiscal para aliviar a situação dos estados e municípios, Bezerra disse que não vê essa mudança como solução. Para ele, é importante cuidar para que as contas públicas dos demais entes não sejam afetadas por decisões da União. Como exemplo, citou a criação de programas que criam despesas para os demais entes sem a definição de onde virão os recursos.

Sobre a proposta de criação dos fundos de desenvolvimento e de compensação, Pinheiro disse que aguarda sinalização do ministro da Fazenda, Joaquim Levy. Os fundos são considerados pelo presidente do colegiado como fundamentais para o consenso em relação à proposta de unificar as alíquotas do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

Fonte: Agência Senado

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Barra Do Corda portal de notícias, tudo sobre a nossa cidade com:

Rapidez, Verácidade e Ética.

Não se esqueça de se inscrever para receber nossas notícias. Digite seu e-mail e saiba tudo sobre Barra do Corda a nossa cidade.

Informações

Chat
Enviar via WhatsApp
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com