‘CPMF é imposto pequenininho’ e ‘não bate na inflação’, diz Levy

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, explicou nesta terça-feira (15) em entrevista à NBR que a CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentações Financeiras) foi escolhida como parte das medidas para aumentar a arrecadação do governo por ser “um imposto pequenininho”. “Se você vai comprar alguma coisa que custa R$ 100, vai pagar R$ 0,20”, disse Levy.

O ministro voltou a afirmar que a proposta é que o imposto seja temporário. “A CPMF é um imposto para enfrentar um momento especial”, diz Levy. “É mais fácil de cobrar, todo mundo paga – um pouquinho, mas paga -, não bate na inflação porque você coloca ali R$ 0,02 a cada R$ 10 que você gasta”.

Na segunda-feira, Levy anunciou, ao lado do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa,medidas fiscais de R$ 64,9 bilhões para garantir a meta de superávit primário de 0,7% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2016.

Desse total, R$ 26 bilhões referem-se a corte de gastos do governo. Outros R$ 38,9 bilhões referem-se ao aumento de arrecadação, entre elas a proposta de retorno da CPMF.

“O que a gente fez ontem foi criar as condições para sair desse momento de travessia e conseguir chegar aonde a gente quer em segurança”, afirmou Levy nesta terça sobre o ajuste fiscal, depois de ressaltar a importância de “ter a casa em ordem”. “Um país que tem rombo no orçamento não é um país que cresce, um país que tem confiança.”

O ministro falou sobre o cenário econômico internacional, mencionando a desaceleração da economia da China e da queda dos preços das commodities. “O Brasil vai ter que se adaptar”, afirmou ele, dizendo que o país terá que mudar seu “esquema tático” neste “ambiente diferente”.

Entre as medidas de corte de gastos do governo, o ministro citou o adiamento do reajuste dos servidores, que deve reduzir as despesas em R$ 7 bilhões. “É um gasto importante que a gente deixa de fazer”, disse Levy, apontando a necessidade de “distribuir” as medidas de corte.

Sobre perspectivas de melhora na economia, Levy disse que “tem várias áreas que já estão dando respostas, as exportações já estão melhorando”. O ministro apontou também que a agricultura “é um setor que vai continuar dando boas notícias”.

Cenário político
O ministro falou sobre as discussões políticas para que as medidas do ajuste fiscal sejam aprovadas pelo Congresso.

“Tem um pouquinho de incertezas, tem um pouquinho o lado que não é econômico, um pouquinho político, muita discussão. Algumas pessoas dizem que isso tem atrapalhado a economia porque tem levado as pessoas a ficarem com um pouco mais de dúvida e aí a economia anda mais devagar”, afirmou.

“Se não tivesse tanta discussão em algumas coisas a gente já estaria sentindo a recuperação de uma maneira mais forte. Mas a democracia é isso, todo mundo tem o direito de falar.”

Fonte: Karina Trevizan Do G1, em São Paulo

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Barra Do Corda portal de notícias, tudo sobre a nossa cidade com:

Rapidez, Verácidade e Ética.

Não se esqueça de se inscrever para receber nossas notícias. Digite seu e-mail e saiba tudo sobre Barra do Corda a nossa cidade.

Informações

Chat
Enviar via WhatsApp
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com