CPI fará nesta 4ª acareação entre Duque e Vaccari

O terceiro dia da CPI da Petrobras em Curitiba, nesta quarta-feira (2), prevê uma acareação entre os investigados da Operação Lava Jato Augusto Mendonça, ex-executivo da Toyo Setal, Renato Duque, ex-diretor de Serviços da Petrobras e João Vaccari Neto, ex-tesoureiro do Partido dos Trabalhadores (PT). Duque e Vaccari estão presos no Complexo Médico-Penal em Pinhais, na região metropolitana de Curiitba. Augusto Mendonça é delator do esquema.

Os deputados também pretendem ouvir o publicitário Ricardo Hoffmann e o lobista Fernando de Moura. A CPI investiga fraudes em contratos da Petrobras com empreiteiras. A sessão está marcada para começar às 9h, no prédio da Justiça Federal, no bairro Ahu.

O segundo dia, realizado nesta terça (1º), começou da mesma forma que o primeiro – com o silêncio. Cesar Ramos Rocha, ex-executivo da Odebrecht, foi o primeiro convocado e logo no início afirmou que ficaria calado.

“Vou exercer meu direito assegurado pelo Supremo e permanecer em silêncio”, afirmou Ramos. O advogado Nabor Bulhões afirmou aos deputados que o silêncio do  cliente não se trata de exercer o direito de não se autoincriminar, e sim, para obedecer ao entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF) de que a CPI não se presta a apurar crimes, sendo esta função do Poder Judiciário.

Ainda foram convocados Márcio Faria da Silva, Rogério Santos de Araújo, Alexandrino de Salles Ramos, Cesar Ramos Rocha, o ex-gerente da Petrobras Celso Araripe de Oliveirae o presidente da holding que administra a Odebrecht, Marcelo Odebrecht.

Todos ficaram em silêncio. Eles foram presos durante a 14ª fase da Operação Lava Jato.

Marcelo Odebrecht se recusou a falar sobre o processo judicial, mas respondeu a algumas perguntas dos deputados da CPI da Petrobras. Ele negou a possibilidade de assinar acordo de delação premiada. “Para alguém dedurar, ele precisa ter o que dedurar. Isso não ocorre aqui”, disse.

“Infelizmente, estou engessado… Até por respeito à decisão do Supremo Tribunal Federal, no que tange especificamente ao processo, já que existe um processo criminal em andamento, a gente fica impedido de falar sobre o processo. Espero que os senhores entendam essa situação”, disse Marcelo Odebrecht. Após 35 minutos, o executivo foi dispensado pelos deputados.

Fonte: Adriana Justi Do G1 PR

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Barra Do Corda portal de notícias, tudo sobre a nossa cidade com:

Rapidez, Verácidade e Ética.

Não se esqueça de se inscrever para receber nossas notícias. Digite seu e-mail e saiba tudo sobre Barra do Corda a nossa cidade.

Informações

Chat
Enviar via WhatsApp
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com