Cardozo nega interferência do governo nas investigações da Lava Jato

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, negou nesta quarta-feira (15) qualquer interferência do governo nos inquéritos e nas investigações conduzidas pela Polícia Federal (PF) na Operação Lava Jato. O ministro foi convocado pela CPI da Petrobras para dar explicações sobre o caso das escutas clandestinas encontradas na cela do doleiro Alberto Youssef na Superintendência da PF em Curitiba (PR).

Cardozo afirmou que é acusado injustamente de instrumentalizar a Polícia Federal a serviço dos interesses do Planalto e de não controlar a instituição. “São críticas infundadas. É importante entender o papel do ministro da Justiça e sua relação com a Polícia Federal: ele é fiscal do abuso do poder e da legalidade”, reiterou.

O ministro defendeu a presidente Dilma Rousseff e negou que ela tenha, em algum momento, solicitado interferências nos processos de investigação ou reclamado de sua atuação à frente da pasta. “Ela é uma pessoa de honestidade inatacável. Seus próprios adversários reconhecem a honestidade da presidente Dilma. Nenhum fato relacionado à corrupção chegará perto dela”, declarou.

Escutas
Cardozo confirmou aos deputados que foi informado pela Polícia Federal da existência de escutas clandestinas na cela do doleiro Alberto Youssef e das providências tomadas para apurar a irregularidade.

Segundo o ministro, a corregedoria da PF agiu para verificar a situação de ilegalidade que poderia estar ocorrendo no momento e determinou a instauração de sindicância para investigar o possível envolvimento de agentes da instituição. “A sindicância tramita em sigilo e ainda está em curso”, informou. O ministro afirmou que não tem conhecimento do conteúdo das apurações. “Se, ao final, ficar comprovado que houve escutas ilegais, haverá punições àqueles que as praticaram”, ressaltou.

Envolvimento de delegados
O deputado Jorge Solla (PT-BA) cobrou o afastamento de delegados da Polícia Federal que fizeram campanha contra a presidente Dilma na eleição 2014 e que têm fortes indícios de participação no caso das escutas ilegais e dos vazamentos seletivos.

“Há de se tomar cuidado para não tomar medidas punitivas sem a devida apuração. O fato de terem sido citados, não quer dizer que os delegados devem ser afastados por isso”, respondeu Cardozo. “E, se fizeram campanha [contra Dilma], só posso dizer que votara mal, salvo se houve atuação política, aí devem ser punido”, completou.

Reportagem – Luiz Gustavo Xavier
Edição – Marcelo Oliveira
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Barra Do Corda portal de notícias, tudo sobre a nossa cidade com:

Rapidez, Verácidade e Ética.

Não se esqueça de se inscrever para receber nossas notícias. Digite seu e-mail e saiba tudo sobre Barra do Corda a nossa cidade.

Informações

Chat
Enviar via WhatsApp
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com