Câmara aprova medida provisória que aumenta IR sobre ganho de capital

A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (3) a medida provisória do ajuste fiscal que aumenta o Imposto de Renda sobre ganho de capital, instituindo alíquotas progressivas conforme o valor das operações. O texto segue agora para análise do plenário do Senado.

Os deputados rejeitaram todos os destaques que poderiam mudar a proposta. Os efeitos da MP começaram a valer em janeiro deste ano, mas a proposta precisa ser aprovada pelo Congressopara que as mudanças sejam mantidas.

Atualmente, é cobrado de pessoas físicas um percentual de 15% sobre operações que gerem lucro, como a venda de um imóvel que se valorizou. Com o texto aprovado pelo Congresso, o percentual vai variar de 15% a 22,5%, conforme o valor do ganho de capital.

Pela proposta, será cobrado 15% sobre a parcela dos ganhos que não ultrapassar R$ 5 milhões; 17,5% sobre a parcela dos ganhos entre R$ 5 milhões e R$ 10 milhões; 20% sobre a parcela dos ganhos entre R$ 10 milhões e R$ 30 milhões; e 22,5% sobre a parcela dos ganhos que ultrapassar R$ 30 milhões.

A proposta aprovada pelos deputados é mais amena do que a medida provisória editada pela presidente Dilma Rousseff, que estabelecia as seguintes alíquotas: 15%, para ganho de até R$ 1 milhão; 20%, para ganhos de R$ 1 milhão a R$ 5 milhões; 25% para ganhos de R$ 5 milhões a R$ 20 milhões e 30% para o que ultrapassar R$ 20 milhões.

A arrecadação anual esperada pelo governo com as alíquotas do texto original da medida era de R$ 1,8 bilhão. Com as mudanças feitas pelo Congresso, o impacto da proposta no orçamento será menor.

Obstrução
A votação da MP se estendeu por horas por causa da obstrução de partidos da oposição, comoDEM e PSDB, que se dizem contrários ao aumento de impostos. O novo líder do DEM, deputado Pauderney Avelino (AM), disse que a medida provisória repassa a “conta da crise econômica” para a população.

“Essa medida provisória está onerando investimento do capital privado e o Brasil precisa de investimentos, de geração de empregos, de geração de renda”, disse. Já PT e PCdoB argumentam que o aumento das alíquotas só vai afetar a população mais rica e grandes investidores.

Fonte: Nathalia Passarinho Do G1, em Brasília

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Barra Do Corda portal de notícias, tudo sobre a nossa cidade com:

Rapidez, Verácidade e Ética.

Não se esqueça de se inscrever para receber nossas notícias. Digite seu e-mail e saiba tudo sobre Barra do Corda a nossa cidade.

Informações

Chat
Enviar via WhatsApp
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com