Operação prende suspeitos de crime de agiotagem no MA

Quatro pessoas foram presas na manhã desta terça-feira (5) por suspeita de agiotagem e desvio de recursos públicos no Maranhão dentro da segunda etapa da “Operação Imperador”, da Polícia Civil e do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco).

A operação, segundo a Polícia Civil, ainda está em andamento, mas, pelo menos, quatro nomes já foram confirmados. Entre eles estão Richard Nixon dos Santos, atual prefeito da cidade de Bacuri, o empresário Josival Cavalcante da Silva, mais conhecido como Pacovan, Perachi Roberto Farias, ex-prefeito da cidade de Marajá do Sena, e José Epitácio Muniz, que é contador da mesma prefeitura e, segundo a polícia, seria dono de empresas de fachada que operavam no esquema de agiotagem. Todos foram foram encaminhados para a Superintendência Estadual de Investigações Criminais (Seic).

A polícia também confirmou que houve a condução coercitivas de Rui Clemêncio Barbosa, que seria laranja em negócios da Prefeitura de Zé Doca, e Francisco Jesus Silva Soares, que é empresário emissor de notas para os municípios de Zé Doca e Marajá do Sena.

“A operação está sendo realizada simultaneamente na capital e no interior do Estado. São duas operações, a Morta Viva e a Marrarajá, com base no perfil dos nossos investigados. Informações sobre apreensões e prisões serão dadas na coletiva de impresa que será realizada às 15h, na Secretaria de Segurança”, disse o delegado-geral de Polícia Civil do Maranhão, Augusto Barros.

Primeira etapa
No dia 31 de março, foi presa a ex-prefeita de Dom Pedro, no Maranhão, Maria Arlene Barros. Segundo a polícia, mais de R$ 5 milhões foram desviados da prefeitura entre 2009 e 2012. A suspeita é que o esquema teria desviado R$ 100 milhões de 42 prefeituras do Maranhão.

No dia 1º, Eduardo Costa Barros, filho da ex-prefeita mais conhecido como “Eduardo Imperador”, se apresentou na sede da Superintendência Estadual de Investigações Criminais (Seic). Segundo a polícia, em nome de Eduardo e de pessoas ligadas a ele existem, pelo menos, dez empresas, a maioria no ramo de construção civil e locação de máquina. Estas empresas seriam usadas para fraudar licitações e desviar dinheiro da prefeitura de Dom Pedro. Eduardo nega que tenha tantas empresas e que tenha sido beneficiado. Os dois foram liberados seis dias após a prisão.

Entenda
A “Operação Imperador” é um desdobramento da “Operação Detonando”, iniciada após o assassinato do jornalista Décio Sá. Em 2012, que prendeu os empresários Gláucio Alencar e José Miranda, pai e filho acusados de mandar matar o repórter e de comandar um esquema de agiotagem. Na época, a polícia descobriu que o que motivou o assassinato foi uma postagem, no “Blog do Décio”, referente à morte do agiota Fábio Brasil, no Piauí. Na operação, foram apreendidos carros de luxo, máquinas pesadas como tratores, documentos e descoberta uma conta com saldo de mais de R$ 5 milhões.

Fonte: G1 MA

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Barra Do Corda portal de notícias, tudo sobre a nossa cidade com:

Rapidez, Verácidade e Ética.

Não se esqueça de se inscrever para receber nossas notícias. Digite seu e-mail e saiba tudo sobre Barra do Corda a nossa cidade.

Informações

Chat
Enviar via WhatsApp
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com