Merkel diz que chegada de refugiados mudará a Alemanha

A Alemanha anunciou nesta segunda-feira (7) que vai destinar 6 bilhões de euros para administrar o grande fluxo de migrantes, e sua chanceler, Angela Merkel, afirmou que o fluxo em massa de imigrantes mudará o país, prometendo trabalhar para que estas modificações sejam “positivas”.

“O que vivemos agora é algo que seguirá nos ocupando pelos próximos anos, nos mudará, e queremos que a mudança seja positiva e pensamos que podemos conseguir isto”, declarou Merkel.

Ao mesmo tempo, a França se comprometeu a receber 24 mil refugiados, do total de 120 mil que a Comissão Europeia deseja abrigar no continente, em uma Europa que se esforça para resolver a mais grave crise migratória em décadas.

Chanceler Angela Merkel fala em coletiva de imprensa sobre refugiados em Berlim (Foto: AFP)
Chanceler Angela Merkel fala em coletiva de imprensa sobre refugiados em Berlim (Foto: AFP)

O Estado federal alemão aumentará o orçamento para as pessoas que solicitam asilo em três bilhões de euros (US$ 3,34 bilhões) e disponibilizará outros três bilhões para os Estados regionais e os municípios, responsáveis pelos alojamentos dos refugiados.

A distribuição detalhada do valor será definida em 24 de setembro, durante uma reunião de representantes do Estado federal e dos Estados regionais.

Comissão Europeia
A Comissão vai propor na quarta-feira (9) ao Parlamento Europeu a distribuição dos 120 mil refugiados nos próximos dois anos. A medida será adicionada à recepção de outros 40 mil migrantes anunciada em maio, que afetava apenas as pessoas que estavam na Itália e na Grécia.

A Comissão proporá a França, Alemanha e Espanha que recebam 71.305 solicitantes de asilo que entraram em países do bloco.

O organismo pedirá que a Alemanha receba 31.443 solicitantes de asilo que chegaram à Itália, Grécia e Hungria, ou seja 26,2%, a França 24.931 (20%) e a Espanha 14.931 (12,4%).

Desta forma, os três países receberão a maior parte dos refugiados. Mas a dimensão do problema é muito maior, pois a Alemanha espera receber 800 mil pedidos de asilo este ano, quatro vezes mas que no ano passado.

Emocionante e impactante
Merkel mencionou um fim de semana “emocionante e impactante”, durante o qual chegaram a Alemanha quase 20 mil refugiados procedentes em sua maioria da Síria.

A chanceler comemorou o fato da Alemanha “ter se transformado em um país que as pessoas associam à esperança. É algo muito valioso se observarmos nossa história”.

Ao mesmo tempo, Merkel fez um apelo por um “esforço da União Europeia”.

“Alemanha, Áustria e Suécia não podem ser os únicos países que recebem refugiados”, afirmou o vice-chanceler e ministro da Economia, o social-democrata Sigmar Gabriel, na mesma entrevista coletiva.

Merkel completou: “Não é possível dizer ‘não tenho nada a ver com isto’. Mas acredito que a dinâmica do que acontece não ficará sem efeito”.

A Alemanha recebe um número gigantesco de imigrantes em busca de uma vida melhor. O país prevê a entrada de 800 mil solicitantes de asilo este ano, contra 200 mil em 2014.

Nesta segunda-feira, um incêndio em um centro de refugiados em Bade-Wurtemberg, região sudoeste do país, deixou cinco feridos.

Fluxo incessante
O fluxo de migrantes não para de aumentar, em especial desde que Berlim decidiu não reenviar os sírios ao país pelo qual entraram na Europa.

Na manhã desta segunda-feira, um primeiro trem procedente de Salzburgo (Áustria), com 150 refugiados a bordo era esperado em Munique (sul da Alemanha).

A imprensa aponta que será muito difícil fazer um prognóstico sobre o número de migrantes que podem chegar ao país. Alguns jornais citaram a possibilidade de 10.000 pessoas apenas nesta segunda-feira.

Centenas de voluntários se reuniram nas estações ferroviárias da Alemanha para entregar água e comida aos refugiados, com cartazes com a frase “Refugees welcome!” (“Bem-vindos refugiados”).

Também no Mediterrâneo continuam as chegadas de centenas de pessoas às ilhas gregas, procedentes da costa da Turquia.

No total, 2.600 refugiados e migrantes foram resgatados no mar pela Guarda Costeira da Grécia entre sexta-feira e segunda-feira, na primeira etapa de uma viagem até a Europa ocidental para dezenas de milhares de refugiados que entram no continente pela Turquia.

O primeiro-ministro turco Ahmed Davutoglu criticou o “ridículo” número de refugiados autorizados a entrar na União Europeia (UE), que definiu como uma “fortaleza cristã”, quando a Turquia recebe mais de dois milhões de pessoas que fugiram das guerras na Síria e no Iraque.

Em uma entrevista, o ministro do Interior da Espanha, Jorge Fernández Díaz, defendeu o aumento das medidas de controle dos solicitantes de asilo procedentes da Síria, ante o temor de infiltração de membros do grupo Estado Islâmico (EI).

“A Espanha não vai negar o direito de asilo a ninguém”, afirmou o ministro ao jornal conservador ABC.

“Mas temos que aumentar também os controles na hora de receber estas pessoas”.

“A imensa maioria é de refugiados que fogem da guerra, do terror, mas não podemos esquecer que também existe o Daesh (o grupo Estado Islâmico), estes bárbaros que demonstraram que são capazes de cumprir suas ameaças”, disse.

“Que dúvida existe de que, entre estas avalanches, podem infiltrar-se pessoas que não são refugiados”, afirmou, antes de completar “E, além disso, é evidente que estas pessoas estão fugindo sobretudo da Síria, e ali o Daesh está implantado”.

Fonte: France Presse

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Barra Do Corda portal de notícias, tudo sobre a nossa cidade com:

Rapidez, Verácidade e Ética.

Não se esqueça de se inscrever para receber nossas notícias. Digite seu e-mail e saiba tudo sobre Barra do Corda a nossa cidade.

Informações

Chat
Enviar via WhatsApp
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com