Convenção começa em clima de apreensão

WASHINGTON — O quarto crime que choca os Estados Unidos em duas semanas e o ataque terrorista na França, quinta-feira, ampliam a tensão da convenção republicana, que começa nesta segunda-feira em Cleveland (Ohio). A cidade de 400 mil habitantes, que espera receber 50 mil pessoas para o evento político, vive um clima de guerra, com forte reforço policial e de agentes do FBI (a polícia federal americana). A convenção já gerava preocupação extra por causa de uma quantidade maior de protestos devido às declarações polêmicas de Donald Trump, que deve ser confirmado candidato da sigla à Casa Branca.

— As coisas que acontecem em todo o país e no mundo afetam como responderemos aqui — disse Calvin Williams, chefe da polícia local em entrevista à CBS News. — Parece que todo mundo está vindo para Cleveland realizar protestos.

MAIS BLOQUEIOS NAS RUAS

Desde sábado, uma série de manifestações — pacíficas — está ocorrendo na cidade. Já estão na região grupos de nacionalistas negros, defensores da supremacia branca, anarquistas, ativistas gays e do aborto, feministas, religiosos, imigrantes e grupos contrários ao aborto. Além dos 1.500 policiais da cidade, ao menos dois mil agentes de todo o país foram deslocados para garantir a segurança da convenção, que vai até quinta-feira. Diversos bloqueios foram montados nas ruas de Cleveland — medida reforçada após o ataque na França, quando um caminhão invadiu uma avenida reservada a pedestres, matando 84 pessoas.

— Você tem uma tempestade perfeita em Cleveland por questões envolvendo raça, religião, etnia, nacionalidade e orientação sexual. Nunca vi tantas questões com potencial de confronto ao mesmo tempo — disse Erroll Southers, diretor do programa de Extremismo Interno Violento da Universidade do Sul da Califórnia à “Voice of America”.

Segundo a Associated Press, um homem nos subúrbios de Cleveland chamou a atenção à tarde ao andar nas ruas com um rifle semi-automático nas mãos, exibindo também uma pistola no coldre. Havia o temor de que mais pessoas exibissem armas, o que poderia elevar a tensão. O presidente do sindicato local dos policiais, Steve Loomis, disse que o governador de Ohio, John Kasich, deveria declarar estado de emergência para suspender a permissão de exibição pública de armas.

O governador, contudo, não tomou a medida. Apesar de republicano, não discursará na convenção, indicando sua rejeição ao nome de Trump. Ele participaria na noite de domingo, em Cincinatti (também em Ohio), do encontro nacional da NAACP, a mais antiga associação dos direitos dos negros nos EUA. A democrata Hillary Clinton tem discurso previsto para esta segunda, levando o debate racial de vez ao estado.

convenção_INFO_1807es.eps

A tensão cresce alimentada por Trump. Ele já fez declarações ofensivas a imigrantes, mulheres, muçulmanos, portadores de deficiência física, entre outros grupos. Para muitos, é o candidato dos brancos. Segundo pesquisas, tem cerca de 10% dos votos dos negros, num sinal da radicalização racial do país.

No domingo, o candidato voltou a usar a nova tragédia para pedir votos. Desde a recente onda de violência, ele se coloca como candidato “da lei e da ordem” e é favorável à liberdade das armas. “Estamos aflitos com os policiais em Baton Rouge. Quantos agentes da lei e pessoas têm de morrer por causa de uma falta de liderança no nosso país? Exigimos lei e ordem”, afirmou Trump no Facebook. No twitter, disse que Obama “não tinha uma pista” do que ocorreu em Baton Rouge, e que a situação “só vai piorar”. “Estamos tentando lutar contra o Estado Islâmico, mas nossa própria população está matando nossa polícia. O país está dividido e fora de controle, e o mundo está assistindo isso”.

Hillary, por sua vez, publicou nota alinhada ao discurso de Obama sobre a tragédia contra policiais na Lousiana: “um ataque contra policiais é um ataque contra todos nós”.

Pesquisa divulgada neste domingo pela ABC e pelo jornal “Washington Post” aponta a democrata com 47% das intenções de votos, contra 43% de Trump no levantamento realizado entre 11 e 14 de julho. Os números indicam que sua liderança está mais apertada: na pesquisa da ABC/“Washington Post” de 20 a 23 de junho, Hillary tinha 12 pontos à frente.

Fonte:  HENRIQUE GOMES BATISTA / CORRESPONDENTE do site http://oglobo.globo.com/

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Barra Do Corda portal de notícias, tudo sobre a nossa cidade com:

Rapidez, Verácidade e Ética.

Não se esqueça de se inscrever para receber nossas notícias. Digite seu e-mail e saiba tudo sobre Barra do Corda a nossa cidade.

Informações

Chat
Enviar via WhatsApp
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com