Vasco vence o Botafogo por 2 a 1 e é campeão carioca

Depois de amargar um jejum de doze anos, o Vasco soltou de novo o grito de campeão carioca. Diante do público recorde do futebol brasileiro no ano – público presente de 66.156 torcedores -, o cruzmaltino venceu o Botafogo por 2 a 1 e ficou com o título estadual, algo que não acontecia desde 2003.

Este foi o 23° carioca da história do Vasco, que, nos últimos anos, enfrentou má fases, rebaixamentos, crises financeira e política e pode comemorar apenas a Série B de 2009 e a Copa do Brasil de 2011. De volta à Série A depois de assegurar o acesso no ano passado, o cruzmaltino, que terminou a primeira fase em terceiro lugar, eliminou o Flamengo nas semifinais e venceu o Botafogo nos dois jogos da final. A trajetória levou o presidente do clube, Eurico Miranda, a cunhar uma frase que embalou a campanha vitoriosa: “o respeito voltou”. O Vasco termina o campeonato com 13 vitórias, quatro empates e duas derrotas, com 35 gols marcados e 14 sofridos.

O resultado é particularmente histórico para o técnico Doriva. Ele se tornou o primeiro técnico a vencer, de maneira consecutiva, o campeonato de São Paulo e do Rio de Janeiro. Em 2014, Doriva conduziu o Ituano à conquista do título. Agora, foi a vez de levar o Vasco à vitória.

Precisando de dois gols para reverter a vantagem conseguida pelo Vasco no jogo de ida, o Botafogo já contabilizava duas chegadas ao gol com menos de cinco minutos de jogo: a primeira com Luis Ricardo, no primeiro minuto de jogo, e depois com Bill, aos quatro, em chute que acabou prensado por Martín Silva. O ataque botafoguense tentava escapar principalmente pelos lados do campo, mas esbarrava na dificuldade em centrar a bola, mesmo tendo Bill como referência na grande área.

O Vasco apostava nos contra-ataques, mas teve sua primeira chance de marcar em uma jogada de bola parada: em cobrança de falta ensaiada, aos 18 minutos, Luan sobrou sozinho na pequena área e chegou sozinho na segunda trave, quase conseguindo desviar para o gol.

“A partir daí, o jogo começou a mudar de panorama. O Vasco começou a oferecer mais perigo que o Botafogo”, analisou o comentarista da Rádio Nacional, Marco Aurélio.

Na metade do primeiro tempo, o técnico René Simões perdeu Willian Arão, com fortes dores na coxa direita, e precisou mexer no time, colocando Fernandes no jogo. O número de cartões amarelos distribuídos pelo árbitro Wagner dos Nascimento Magalhães também chamou atenção: só na etapa inicial, foram sete cartões – quatro para jogadores do Botafogo e três para atletas do Vasco, em 45 minutos com 20 faltas marcadas.

O Botafogo voltou a levar perigo em um chute de fora da área de Rodrigo Pimpão, que, da esquerda, cortou e bateu. A bola desviou em Madson e forçou Martín Silva a ir buscar no ângulo, colocando para escanteio.

Aos 44 minutos do primeiro tempo, Rafael Silva deixou o Vasco ainda mais perto do título, abrindo o placar no Maracanã. A jogada do gol cruzmaltino começou quando Marcelo Mattos se atrapalhou e perdeu a bola para Gilberto. O atacante rolou para Guiñazu, que acertou belo lançamento para Rafael Silva. O talismã vascaíno bateu cruzado, de primeira, no canto esquerdo de Renan.

A conta para o Botafogo vencer o campeonato indicava que o clube da Estrela Solitária precisava da virada para levar a decisão para os pênaltis. Uma vitória por dois gols de diferença garantiria o título para o Bota. Em caso de empate, o Vasco seria o campeão.

Com isso, René Simões mexeu no time: Diego Jardel veio para o jogo, no lugar de Tomas Jardel. Mantendo a bola em seu campo de ataque, o Botafogo forçou o Vasco a se fechar e tentar achar uma bola que pudesse definir a partida. A melhor oportunidade nesta blitz alvinegra foi aos 13 minutos, em cobrança de falta perigosa, salva por Martín Silva, que deu um tapa na bola.

O jogo continuou pegado – no total, foram 12 cartões amarelos -, e mais corrido. O Botafogo chegou ao empate aos 29, graças à insistência de Gilberto, brigou pela bola na entrada da grande área e tocou para Diego Jardel, nas costas da defesa, que ficou parada. Desmarcado e na cara do gol, ele teve a tranquilidade de tocar, com categoria, para o fundo das redes de Martín Silva.

O empate incendiou a partida, e o Botafogo partiu para o ataque, tentando o resultado que poderia mudar o destino da taça. Mas a expulsão de Fernandes, aos 38, complicou a vida do Botafogo. E se o Botafogo ainda tinha alguma pretensão de tirar o título do Vasco, ela foi reduzida a pó depois que Gilberto marcou o segundo, já nos acréscimos, aos 48 minutos do segundo tempo.

O gol que confirmou o título começou em uma cobrança de lateral pela direita, que alcançou Lucas. Em um passe, ele encobriu o marcador e alcançou Gilberto na grande área. O artilheiro dominou e bateu cruzado, sacramentando a conquista cruzmaltina.

Fonte: Por Nathália Mendes Fonte:Portal EBC

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Barra Do Corda portal de notícias, tudo sobre a nossa cidade com:

Rapidez, Verácidade e Ética.

Não se esqueça de se inscrever para receber nossas notícias. Digite seu e-mail e saiba tudo sobre Barra do Corda a nossa cidade.

Informações

Chat
Enviar via WhatsApp
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com