PF indicia Ricardo Teixeira e apura giro de R$ 464 milhões

A Polícia Federal (PF) indiciou, sob suspeita de quatro crimes, o ex-presidente da CBF Ricardo Teixeira. O ex-dirigente é acusado de participar de ações de lavagem de dinheiro, evasão de divisas, falsidade ideológica e falsificação de documentos. O processo corre em paralelo ao escândalo de corrupção da Fifa – que resultou na prisão de sete pessoas, entre elas outro ex-presidente da CBF, José Maria Marin. São casos diferentes.

O pedido de indiciamento cita ainda outras quatro pessoas. Entre elas, Sandro Rosell, que foi presidente do Barcelona entre 2012 e 2014 e renunciou ao cargo após ser investigado suposto desvio de dinheiro na compra de Neymar. No inquérito da PF, ele é acusado de falsidade ideológica e falsificação de documentos.

Craque do Brasileirão Ricardo Teixeira (Foto: Gustavo Tilio / Globoesporte.com)
PF suspeita de movimentações de R$ 464 mi feitas por Teixeira entre 2009 e 2012 (Foto: Gustavo Tilio/ Globoesporte.com)
Relatório aponta movimentações financeiras “atípicas” de Teixeira no valor de R$ 464,5 mi entre 2009 e 2012, quando ainda era presidente da CBF e do Comitê Organizador da Copa do Mundo de 2014

As informações fazem parte de um relatório produzido pela Polícia Federal em janeiro deste ano e enviado ao Ministério Público Federal do Rio de Janeiro. O ponto de partida para a investigação são as supostas relações de Teixeira com a empresa Ailanto Marketing, de propriedade de Sandro Rosell. É a mesma firma acusada de irregularidades na realização de um amistoso disputado no Distrito Federal entre Brasil e Portugal, em 2008. A partida custou R$ 9 milhões ao Governo do DF, dinheiro que teria sido pago sem licitação a Ailanto, criada um mês antes do jogo.

Em resposta ao GloboEsporte.com, por email, a assessoria do MPF do Rio afirmou que “as  investigações estão sob sigilo” e que nenhuma informação poderia ser passada no momento de forma oficial. A existência do pedido de indiciamento foi revelada nesta segunda-feira pela revista Época.

Relatório Ricardo Teixeira 1 (Foto: Reprodução)
Trecho do relatório da Polícia Federal que detalha suspeitas sobre Ricardo Teixeira  (Foto: Reprodução)

O relatório aponta como atípicas as movimentações financeiras de Teixeira no valor de R$ 464,5 milhões entre 2009 e 2012 – quando ainda era presidente da CBF e do Comitê Organizador da Copa do Mundo de 2014. A análise foi feita pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras, o Coaf.

Um dos fatos apurados pela PF indica que Ricardo Teixeira mantinha contas no exterior e movimentou valores para comprar um apartamento de R$ 720 mil no Rio de Janeiro – cujo real valor de mercado seria de R$ 2 milhões. A investigação alega que o ex-dirigente não teria como comprovar os valores e suspeita da negociação, visto que o proprietário, Claudio Abrahão, teria comprado o imóvel sete anos antes pelo mesmo valor e ainda teria gasto com impostos para a transferência. Cláudio é irmão de Wagner Abrahão, sócio do Grupo Águia, que até hoje atende a CBF.

Sandro Rosell presidente do Barcelona coletiva renuncia (Foto: AP)
Ex-presidente do Barcelona, Sandro Rosell também é citado em relatório (Foto: AP)

Outro item investigado trata de supostas irregularidades na compra e venda de ações envolvendo Ricardo Teixeira, Sandro Rosell e Cláudio Honigman, parceiro comercial dos dois dirigentes. A acusação é de que os três teriam movimentado R$ 45 milhões usando a empresa Alpes Eletronic Broker como fachada.

O documento também aponta fraudes em uma suposta venda de uma aeronave particular entre as empresas Brasil 100% Marketing e a Ailanto. A primeira, de propriedade de Sandro Rosell e Cláudio Honigman. A segunda, tem como sócios o ex-presidente do Barcelona e Vanessa Almeida Precht.

Por fim, o relatório pede o indiciamento de Ricardo Teixeira pelos crimes previstos nos artigos 297 e 299 do Código Penal (falsificação de documentos e falsidade ideológica), além do artigo 22 da Lei 7.492/86 (evasão de divisas) e do artigo 1º da Lei 9613/98 (lavagem de dinheiro).

Cláudio Abrahão é acusado de lavagem de dinheiro. Sandro Rosell, Honigman e Vanessa foram enquadrados em falsidade ideológica e falsificação de documentos.

Ricardo Teixeira, 67 anos, foi presidente da CBF de 1989 a 2012, quando deu lugar a José Maria Marin, que está preso na Suíça desde a semana passada. Ele também presidiu o Comitê Organizador da Copa de 2014, no período entre 2009 e 2012, quando foi novamente sucedido por Marin.

Fonte: Rio de Janeiro

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Barra Do Corda portal de notícias, tudo sobre a nossa cidade com:

Rapidez, Verácidade e Ética.

Não se esqueça de se inscrever para receber nossas notícias. Digite seu e-mail e saiba tudo sobre Barra do Corda a nossa cidade.

Informações

Chat
Enviar via WhatsApp
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com