gov
Votação de projeto de lei de medidas emergenciais ao esporte é adiada na Câmara – barradocorda.com – Ribamar Guimarães – “o bom maranhense”
Publicado em: 9 de julho de 2020 - 16:55

Votação de projeto de lei de medidas emergenciais ao esporte é adiada na Câmara


/Foto Ilan Pellenberg/Estadão Conteúdo

O Governo Federal conseguiu adiar a votação do projeto de lei 2824/2020, que prevê medidas emergenciais ao setor esportivo durante a pandemia da Covid-19. O projeto, de autoria do deputado Felipe Carreras (PSB-PE) e que tem mobilizado atletas nas redes sociais, iria a plenário nesta quinta-feira, mas deve ser apreciado apenas na próxima semana. A tendência é que o texto sofra novas mudanças.

+ Medalhaço! Atletas usam redes sociais para pressionar Câmara por auxílio emergencial ao esporte

Desde o início da semana, o Ministério da Economia vem tentando travar a votação do projeto por entender que, da forma como foi apresentado, os impactos das medidas de auxílio a atletas e entidades tornam a execução inviável. Segundo os cálculos do ME, o impacto aos cofres públicos poderia chegar a R$ 15 bilhões. O número, no entanto, é questionado pelo relator da proposta, deputado Alexandre Frota (PSDB-SP).

– O Governo sempre apresenta números exorbitantes da economia, mas não consegue apresentar uma planilha, não consegue mostrar como chegou a esse valor. Foi exatamente assim na reforma da Previdência. Eles falam, mas não mostram – reclamou Alexandre Frota.

Alexandre Frota é o relator do PL 2824 na Câmara — Foto: Michel Jesus/Câmara dos Deputados

Alexandre Frota é o relator do PL 2824 na Câmara — Foto: Michel Jesus/Câmara dos Deputados

Nos cálculos feitos por técnicos de orçamento e tributação da Câmara dos Deputados, o impacto econômico máximo do projeto seria de R$ 1,6 bilhão. Na noite dessa quarta-feira, inclusive, uma nova versão do relatório do projeto de lei 2824/2020 foi publicada no site da Câmara colocando o valor como parâmetro para o teto de gastos.

A outra mudança no relatório foi a retirada do artigo que permitiria a entrada de novos clubes no Programa de Refinanciamento do Futebol Brasileiro, o Profut. O item é sugestão do deputado Felipe Carreras, autor do projeto, que já tentou incluir o tema na votação há duas semanas do PL 1013, que pede o congelamento do Profut.

A retirada do artigo que tratava sobre o Profut reduziu em cerca de R$ 8 bilhões a projeção do impacto do projeto de lei nas contas públicas. Mesmo assim, o texto ainda não agrada à ala do Governo. Em nota, o Ministério da Economia se limitou a dizer que está “conversando com o parlamento para tentar construir um texto de consenso”. E o líder do Governo na Câmara, deputado Major Vitor Hugo (PSL-GO), não quis se manifestar.

Deputado federal e ex-atleta olímpico Luiz Lima (PSL-RJ) — Foto: Câmara dos Deputados

Deputado federal e ex-atleta olímpico Luiz Lima (PSL-RJ) — Foto: Câmara dos Deputados

Ontem, o deputado e ex-atleta olímpico Luiz Lima (PSL-SP), membro da base aliada, falou sobre o projeto. Disse que é a favor da proposta, mas que o Governo precisa pensar nos impactos impactos dela.

– Estamos falando de pagamento de auxílio, aumento da renúncia fiscal na Lei de Incentivo, isenção de impostos. Tudo isso mexe no Caixa do governo e tem que ser muito bem negociado. Farei o possível para que a gente tenha êxito – ponderou Luiz Lima.

A decisão pelo adiamento da votação foi tomada em reunião que se prolongou até a madrugada dessa quarta. Participaram, além de Frota, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o líder do PSDB na Câmara, Carlos Sampaio (PSDB-SP), e Esteves Colnago, chefe da Assessoria de Relações Institucionais do Ministério da Economia e responsável por conduzir as conversas com o Congresso.

Esteves Colnago é quem comanda as conversas do Ministério da Economia com o Congresso Nacional — Foto: Marcos Corrêa/PR

Esteves Colnago é quem comanda as conversas do Ministério da Economia com o Congresso Nacional — Foto: Marcos Corrêa/PR

Uma nova reunião com representantes da equipe econômica do Governo está marcada para a tarde desta quinta-feira. A ideia é finalmente fechar o texto que vai à votação na Câmara, possivelmente na sessão da próxima terça-feira.

Entre as medidas previstas pelo PL, estão o auxílio emergencial de R$ 600 para atletas e pessoas ligadas ao esporte durante três meses – para pessoas que não foram aprovadas no auxílio de mesmo valor do Governo, com renda per capita de até meio-salário mínimo ou familiar de até três –, isenção fiscal até 2028 para compra de materiais esportivos, linhas de crédito facilitadas, permissão para o uso de recursos das loterias federais da lei Agnelo-Piva para o pagamento de dívidas fiscais e administrativas e até renúncia fiscal de dívidas consideradas “irrecuperáveis” das federações – exceto futebol.

Medalhista olímpico, Emanuel foi um dos atletas que participaram das discussões pela construção do relatório do projeto de lei — Foto: Cob

Medalhista olímpico, Emanuel foi um dos atletas que participaram das discussões pela construção do relatório do projeto de lei — Foto: Cob

Além disso, o texto prevê mudanças em regras de governanças de entidades esportivas brasileiras. Entre elas, a permissão para tomada de bens particulares de dirigentes envolvidos em crimes de má gestão, seja em clubes ou federações, para cobrir o prejuízo deixado na entidade.

Nova loteria e MP 938

Para conseguir arcar com os custos das medidas de auxílio ao esporte previstas no projeto de lei, o Governo apresentou duas propostas aos deputados, ambas rejeitadas.

A primeira era para que o dinheiro destinado ao cumprimento das ações propostas fosse bancado por meio da Medida Provisória 938, que entrou em vigor em 2 de abril e prevê o repasse de até R$ 16 bilhões aos estados e municípios.

Rodrigo Maia, presidente Câmara dos Deputados — Foto: Michel Jesus/Câmara dos Deputados

Rodrigo Maia, presidente Câmara dos Deputados — Foto: Michel Jesus/Câmara dos Deputados

A proposta, no entanto, foi recusada pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que disse ser impossível trabalhar a questão dentro do texto da MP. A Câmara ainda não votou a medida, que foi prorrogada pelo Governo por mais 60 dias em 17 de junho.

A outra sugestão foi a criação de um novo jogo de loteria federal, de onde seriam retirados os recursos. Atualmente, quase todo o orçamento do Comitê Olímpico do Brasil já vem das loterias por meio da lei Agnelo-Piva.

Os deputados, porém, também rejeitaram a proposta, com o argumento de que seria impossível aprovar em plenário a criação de um jogo que sequer foi discutido pelo Congresso anteriormente.

Bilhetes para apostas nas loterias federais — Foto: Marcelo Brandt/G1

Bilhetes para apostas nas loterias federais — Foto: Marcelo Brandt/G1

– Não dá para a gente votar uma coisa polêmica, uma coisa que não existe. A gente não sabe nem se isso passaria na Câmara – reclamou Frota.

A ideia dos congressistas é retirar os recursos das medidas de dotações orçamentárias da União e aumentar em 1% os repasses previstos das loterias pela lei Agnelo-Piva (de 2% para 3%) durante o período de calamidade pública por conta da pandemia.

Caso seja aprovado pela Câmara dos Deputados, o projeto será encaminhado para o Senado. Em caso de nova aprovação, vai para sanção presidencial.

Câmara dos Deputados — Foto: Najara Araujo/Câmara dos Deputados

Câmara dos Deputados — Foto: Najara Araujo/Câmara dos Deputados


Fonte: Marcelo Cardoso — Brasília, DF
https://globoesporte.globo.com/

Deixe um comentário

XHTML: Você pode usar essas tags html: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Rádio

Enquete

Você é a favor do isolamento social em época do Coronavírus?

  • Sim (100%, 7 Votos)
  • Não (0%, 0 Votos)

Total de votantes: 7

Carregando ... Carregando ...

Facebook

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com