Visando as eleições deste ano, 80 deputados trocam de partido

BRASÍLIA – Pelo menos 80 deputados aproveitaram a chamada janela partidária para mudar de partido, o que equivale a mais de 16% dos 513 parlamentares que compõe a Câmara. Nesse troca-troca, o MDB foi o partido que mais perdeu parlamentares em número absoluto – 14 deixaram a sigla do presidente Michel Temer.

O levantamento foi feito com base em dados oficiais da Câmara e de estimativas dos próprios partidos. Segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a janela partidária, período de um mês em que os deputados podem trocar de partido sem serem punidos, terminou à meia-noite de sexta-feira, 6.

Os dados, ainda parciais, mostram que o PT, que vive o seu pior momento com a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, deve voltar a ser o partido com maior bancada na Câmara, com 55 deputados. Essa posição antes era do MDB, que deve terminar a janela com 54 parlamentares.

As mudanças também beneficiaram o PP, partido do chamado “centrão”, que, apesar de fazer parte do governo Dilma Rousseff, apoiou o impeachment e hoje acumula dois dos maiores ministérios do governo Temer: Saúde e Cidades. A bancada da legenda ganhou dez de deputados e saltou para 54, empatando com o MDB.

Entre os partidos que mais se beneficiaram também está o DEM, do presidente da Câmara e pré-candidato ao Palácio do Planalto, Rodrigo Maia (DEM). Há um mês, quando o período da janela começou, o partido tinha 33 deputados, ganhou 13 parlamentares, perdeu 5, e deve ficar com uma bancada de 42, já incluindo o nome de Mendonça Filho, que deixou o Ministério da Educação e retornará à Casa.

Outro partido que se destacou foi o nanico PSL que tinha apenas três parlamentares e agora tem nove, todos eles atraídos pela campanha à Presidência de Jair Bolsonaro, que trocou o PSC pela legenda liberal.

Além do MDB, outra sigla que desidratou foi o PSB, que viu 13 deputados saírem e somente três entrarem. Outros partidos do centrão, como SD e PRB também ficaram com o saldo negativo no troca-troca.

Balcão. Muitas legendas usaram os recursos do fundo público eleitoral para atrair deputados. Durante o mês que durou a janela, os corredores da Câmara se tornaram um verdadeiro balcão de negócios. O relato de parlamentares é que os grandes e médios partidos estavam oferecendo em média R$ 2 milhões para a campanha dos deputados que mudassem de partido. A garantia de que os novos membros iriam ter o comando dos diretórios estaduais da sigla também foi usada como moeda de troca.

Líder do DEM na Câmara, o deputado Rodrigo Garcia (SP), afirma que o partido ainda não definiu o valor que cada deputado vai ter do fundo eleitoral e acredita que o aumento do número de parlamentares se deve à “refundação” da legenda e à possibilidade dos deputados participarem das direções estaduais.

Já o vice-líder do MDB, deputado Darcísio Perondi (RS), culpou a crise do partido no Rio pela debandada da sigla, já que dos 14 deputados que saíram, seis eram fluminenses. “O que mais pesou foi o fator regional”, afirmou Perondi.

AS BANCADAS

PT

55

MDB

54

PP

54

PSDB

44

DEM

42

PR

41

PSD

40

PSB

24

PDT

21

PRB

20

PTN/Pode

17

PTB

14

SD

11

PROS

11

PC do B

11

PPS

9

PSL

9

PTdoB/Avante

8

PSC

6

PSOL

6

PV

5

PHS

4

PEN

4

Rede

2

Sem partido

1

As Informações são de Isadora Peron, O Estado de S.Paulo

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Barra Do Corda portal de notícias, tudo sobre a nossa cidade com:

Rapidez, Verácidade e Ética.

Não se esqueça de se inscrever para receber nossas notícias. Digite seu e-mail e saiba tudo sobre Barra do Corda a nossa cidade.

Informações

Chat
Enviar via WhatsApp
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com