Tocantins lidera lista de investigações e denúncias de trabalho escravo no país

Tocantins é o estado que teve o maior número de denúncias de trabalho escravo recebidas pelo Ministério Público Federal (MPF) em 2017. Segundo dados divulgados pela Câmara Criminal do MPF, nesta terça-feira (30), 13 das 72 ações penais abertas no país para investigar denúncias aconteceram no estado.

O levantamento listou casos registrados em 19 estados. A maior parte das denúncias ocorreu em propriedades rurais. Para o MPF, o fato de o Tocantins ter a produção agropecuária como uma de suas principais atividades econômicas contribui para o crime ser mais comum na região.

Logo atrás do Tocantins vêm Minas Gerais e Bahia, com 12 e 7 ações abertas para investigar denúncias de trabalho escravo, respectivamente. Ainda de acordo com o Ministério Público Federal, além das ações penais, 265 inquéritos policiais foram iniciados e 283 procedimentos extrajudiciais aplicados durante o ano passado.

Ações abertas para investigar crime de trabalho escravo

Estado
Tocantins 13
Minas Gerais 12
Bahia 7
Maranhão 6
Mato Grosso 5
Mato Grosso do Sul 5
Pará 4
Paraná 4
Rio Grande do Sul 3
São Paulo 2
Ceará 2
Acre, Amapá, Espírito Santo, Goiás, Paraíba, Piauí, Rio de Janeiro, Roraima e Santa Catarina 1

“O meio rural é um ambiente muito propício para a prática desse tipo de crime, porque dificulta a fiscalização, facilita a captação de trabalhadores e, muitas vezes, impede a fuga do trabalhador, em razão do isolamento de certos locais e da inexistência de vias de acesso e de meios de transportes”, comentou a procuradora Julia Rossi.

Outros fatores que contribuem para o trabalho análogo a escravidão é a falta de conhecimento, além da vulnerabilidade social e econômica das vítimas. Com isso, os trabalhadores são submetidos a condições degradantes de trabalho.

Em 2017, por exemplo, cinco pessoas foram resgatadas de uma fazenda em Arapoema onde viviam em um curral, entre eles um bebê de 1 ano e 3 meses. Eles conviviam com ratos, sapos, morcegos e insetos. Além disso, em dois anos de trabalho, quatro dos empregados teriam recebido menos de R$ 2 mil.

Um levantamento feito pelo G1 apontou que 14% dos trabalhadores resgatados no país são encontrados com restrição de liberdade.

Queda na fiscalização

Apesar das denúncias continuarem a aparecer, o número de operações de fiscalização para a erradicação do trabalho escravo caiu 23,5% em 2017 em comparação com o ano anterior, segundo dados do Ministério do Trabalho. Foram realizadas 88 operações em 175 estabelecimentos no ano passado, contra 115 em 2016. É a menor atuação das equipes de erradicação desde 2004, quando foram feitas 78 fiscalizações.

O total de trabalhadores resgatados também apresentou queda em 2017. Foram 341 pessoas encontradas em situação análoga à de escravos e retiradas das frentes de trabalho, número mais baixo desde 1998 (159 resgates). Em relação a 2016, a queda foi de 61,5%.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Barra Do Corda portal de notícias, tudo sobre a nossa cidade com:

Rapidez, Verácidade e Ética.

Não se esqueça de se inscrever para receber nossas notícias. Digite seu e-mail e saiba tudo sobre Barra do Corda a nossa cidade.

Informações

Chat
Enviar via WhatsApp
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com