Theresa May volta a Bruxelas para tentar, mais uma vez, obter mudanças no acordo do Brexit

A primeira-ministra do Reino UnidoTheresa May, retorna a Bruxelas, na Bélgica, nesta quarta-feira (20) para tentar modificar o acordo Brexit junto aos líderes da União Europeia. Eles ainda aguardam alguma solução da premiê para resolver o quebra-cabeça e evitar um divórcio abrupto.

A 37 dias da data marcada para o Brexit, o acordo acertado entre May e o bloco europeu está em um beco sem saída. Em janeiro, o Parlamento britânico disse “não” para o texto da primeira-ministra – principalmente por causa do mecanismo projetado para evitar uma fronteira na ilha da Irlanda, o backstop, item que a União Europeia se recusa a modificar.

O chefe da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, receberá May a partir das 18h30 (14h30 de Brasília) no Berlaymont, sede do executivo da comunidade, para manter “uma discussão amigável”, conforme assegurou na véspera, embora não se mostre otimista quanto a algum progresso. Isso porque os dirigentes europeus já sinalizaram que não vão rever o acordo.

Parlamentares deixam partido de May

Um drone da polícia sobrevoa a região do parlamento britânico em Londres, na Inglaterra — Foto: Simon Dawson/Reuters

Um drone da polícia sobrevoa a região do parlamento britânico em Londres, na Inglaterra — Foto: Simon Dawson/Reuters

Nesta quarta, três parlamentares do Partido Conservador, o mesmo da primeira-ministra britânica, anunciaram que deixarão o partido em consequência da gestão do Brexit. Elas vão se unir ao grupo independente criado na segunda-feira por sete deputados que deixaram o Partido Trabalhista.

Ao mencionar as fortes divisões internas no partido, as deputadas anti-Brexit Anna Soubry, Sarah Wllaston e Heidi Allen afirmaram a questão do Brexit “redefiniu” o partido e está “desfazendo todos os esforços para modernizá-lo”.

“Fico triste com a decisão: são pessoas que prestaram um serviço dedicado ao nosso partido durante muitos anos e as agradeço por isto”, reagiu May, em comunicado.

“A adesão do Reino Unido à UE foi uma fonte de divergências em nosso partido e em nosso país durante muito tempo. Encerrar a adesão depois de quatro décadas nunca seria fácil”, completou.

Manifestantes pró-Brexit protestam do lado de fora do Parlamento, em Westminster, Londres, na terça-feira (29) — Foto: Reuters/Hannah Mckay

Manifestantes pró-Brexit protestam do lado de fora do Parlamento, em Westminster, Londres, na terça-feira (29) — Foto: Reuters/Hannah Mckay

Muitos eleitores conservadores votaram pela saída da União Europeia no referendo de 2016, no qual o Brexit venceu com 52% dos votos.

Mas há uma forte tensão dentro do partido de May entre os que são contrários a deixar o bloco, os que defendem o Brexit moderado – como deseja a primeira-ministra – e os que defendem uma saída ‘dura’, cortando completamente os laços com a União Europeia.

As saídas deixam o partido de Theresa May com 314 parlamentares – além do instável apoio de 10 integrantes do pequeno partido unionista norte-irlandês DUP –, contra 249 do Partido Trabalhista em uma câmara de 650 cadeiras.

Fonte: France Presse

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Barra Do Corda portal de notícias, tudo sobre a nossa cidade com:

Rapidez, Verácidade e Ética.

Não se esqueça de se inscrever para receber nossas notícias. Digite seu e-mail e saiba tudo sobre Barra do Corda a nossa cidade.

Informações

Chat
Enviar via WhatsApp
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com