Taxa média de desemprego de 2017 fica em 12,7% e bate recorde

RIO – A taxa de desemprego do ano de 2017 ficou em 12,7% e foi recorde da série histórica da Pesquisa Nacional de Amostra por Domicílio Mensal (Pnad), iniciada pelo IBGE em 2012. Isso quer dizer que, em média, o desemprego atingiu 13,23 milhões de pessoas da força do trabalho no ano passado. Esse também é o maior contingente de pessoas sem trabalho dos últimos seis anos.

Em 2016, o desemprego médio do ano já havia passado para 11,5% da força de trabalho, ante os 8,5% registrados em 2015. Para 2018, analistas estimam que a taxa média do ano deva ficar na casa dos 12%, ou seja, ainda em dois dígitos. A Pnad considera tanto empregos com carteira assinada quanto os sem carteira.

Ao longo do ano de 2017, a taxa de desemprego atingiu 13,7% no período entre janeiro e março, o recorde para um trimestre de toda a série histórica. Depois disso, no entanto, vem recuando.

No quarto trimestre, a taxa ficou em 11,8% e atingiu 12,3 milhões de trabalhadores sem emprego. O resultado indica um desempenho melhor que no quarto trimestre de 2016, quando a taxa tinha sido de 12% e eram . Para o quarto trimestre de 2017, a mediana de expectativas dos analistas ouvidos pela Bloomberg apontavam um desemprego de 11,9%.

Cimar Azeredo, coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE, ressaltou, em relação aos resultados do último trimestre de 2017, que apesar de a taxa ter ficado estável em relação ao mesmo período de 2016 (12%) e caído em relação ao terceiro trimestre de 2017 (12,4%), não há nenhum indício de recuperação do trabalho com carteira.

A população desempregada ficou estável no quarto trimestre na comparação com o ano anterior e a ocupada teve alta de 2% no mesmo período, devido ao aumento de 5,7%, na mesma comparação, do grupo de empregados sem carteira, que passou de 10,5 milhões para 11,1 milhões. Enquanto o contingente com carteira caiu de 34 milhões para 33,3 milhões de pessoas.

1,47 MILHÃO DE DESEMPREGADOS A MAIS EM 2017

Ao atingir uma média de 13,23 milhões de pessoas no ano passado, o número de desempregados cresceu em 1,47 milhão de pessoas em relação a 2016. A média da população ocupada, no entanto, cresceu nessa mesma comparação, de 90,38 milhões de pessoas em 2016 para 90,64 milhões no ano passado.

O número de empregados no setor privado caiu em 953 mil pessoas entre esses dois anos. Esse grupo era formado por 34,3 milhão de trabalhadores em 2016 e caiu para 33,34 milhões em 2017. Já os empregados informais saltaram de 10,15 milhões para 10,7 milhões nessa mesma comparação.

Ainda em relação ao ano anterior, em 2017 o número de pessoas empregadas como domésticos ficou estável, em 6,17 milhões. Já os epregadores passaram de 3,9 milhões para 4,24 milhões. Os conta própria também ficaram estáveis: eram 22,5 milhões em 2016 e 22,68 milhões em 2017.

O rendimento médio de todos os trabalhos saltou de R$ 2.091 para R$ 2.141.

INDÚSTRIA FECHOU 1,5 MILHÃO DE VAGAS NA RECESSÃO

A indústria encerrou 2017 empregando em média 11,7 milhões de pessoas. Esse contingente, em relação a 2014, início da recessão, perdeu 1,5 milhão de trabalhadores. Nesse mesmo período de comparação a construção civil perdeu 964 mil trabalhadores, passando de 7,8 milhões de pessoas para 6,8 milhões. Esses dois grupos foram os que mais destruíram vagas nesse período. Em termos percentuais, a construção foi o setor que mais perdeu empregados entre 2014 e 2017 (12,3%).

— A perda de empregos na indústria, por ser um setor bastante formalizado, é lamentável e explica essa quantidade de gente vendendo quentinhas e trabalhando na rua. Com relação à construção, a crise fez as pessoas deixarem de comprar imóveis. Há muitos empreendimentos imobiliários parados — explica Azeredo.

Na semana passada, o Ministério do Trabalho, por meio do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), mostrou que o emprego formal segue em baixa no país. No ano passado, o saldo ficou negativo em 20 mil postos de trabalho. Ou seja, essa foi a diferença entre o número de contratações e demissões, que se sobrepuseram.

Fonte: DAIANE COSTA do site o globo

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Barra Do Corda portal de notícias, tudo sobre a nossa cidade com:

Rapidez, Verácidade e Ética.

Não se esqueça de se inscrever para receber nossas notícias. Digite seu e-mail e saiba tudo sobre Barra do Corda a nossa cidade.

Informações

Chat
Enviar via WhatsApp
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com