Suposto ataque químico na Síria causa guerra de acusações

BEIRUTE, MOSCOU e NOVA YORK — O suposto atentado com armas químicas nos arredores de Damasco no sábado e o bombardeio de uma base do regime de Bashar al-Assad no domingo geraram uma onda de acusações entre os atores envolvidos no conflito sírio na segunda-feira. Síria e Rússia acusam Israel de ter lançado mísseis contra a base militar, matando 14 pessoas, entre elas quatro combatentes iranianos. Já no Conselho de Segurança das Nações Unidas, os embaixadores dos EUA, Nikki Haley, e da Rússia, Vassily Nebenzia, trocaram acusações e ameaças, enquanto, no Twitter, o presidente americano, Donald Trump, acusou diretamente os governos de Síria, Irã e Rússia pelo ataque de sábado, e afirmou que os envolvidos “pagarão um alto preço” pelo apoio ao regime sírio

“Muitos mortos, incluindo mulheres e crianças, em um ataque químico sem sentido na Síria. A área está isolada e cercada pelo Exército sírio, o que a deixa completamente inacessível para o mundo exterior. O presidente (russo, Vladimir) Putin, a Rússia e o Irã são responsáveis por apoiar o animal do Assad e terão um alto preço a pagar”, escreveu Trump na rede social, prometendo uma decisão sobre o tema em até 48 horas.

— Não podemos permitir atrocidades como esta — reforçou, depois, a repórteres.

Putin telefonou à chanceler federal alemã, Angela Merkel, e afirmou que Moscou não aceitará “provocações e especulações”.

“Os dois líderes discutiram a situação na Síria, incluindo as acusações de ataques químicos feitas por diversos Estados ocidentais contra o governo sírio. A Rússia comunicou sua posição, de que usar esse incidente como uma oportunidade para provocações e especulações é inaceitável”, afirmou o Kremlin em comunicado.

O chanceler russo, Sergei Lavrov, destacou que Rússia e Síria haviam alertado para ações provocatórias na Síria que teriam como objetivo acusar Damasco de usar agentes tóxicos contra a população civil. De acordo com Lavrov, Moscou apoia uma investigação “honesta e imediata” sobre o incidente, e militares russos e representantes do Crescente Vermelho Sírio visitaram o local do suposto ataque e não encontraram traços de uso de substâncias químicas. A Organização para a Proibição das Armas Químicas (Opaq) anunciou na segunda-feira que investiga as informações sobre o caso.

— A Opaq fez uma análise preliminar das informações sobre a suposta utilização de armas químicas — afirmou o diretor geral da organização, Ahmet Uzumcu. — Mais elementos serão reunidos para estabelecer se houve uso de armas químicas.

 

O grupo de defesa civil Capacetes Brancos divulgou vídeos em que aparecem vítimas, muitas delas crianças. No entanto, não conseguiu confirmar de forma independente a origem do ataque ou o número de vítimas. ONGs como Médicos Sem Fronteiras e o Observatório Sírio para os Direitos Humanos também não confirmaram o uso de agentes químicos. Já o chefe da ONG Human Rights Watch, Kenneth Roth, classificou o suposto ataque como um crime de guerra e pediu pressão sobre o governo russo.

— Este uso de armas químicas contra civis abrigados em seus porões é parte de um padrão amplo, não apenas de um padrão de uso de armas químicas, mas um padrão de alvejar civis que vivem em áreas mantidas pela oposição — disse Roth.

Embaixador russo faz alerta na ONU

Lavrov também defendeu uma investigação sobre o ataque à base militar síria nos arredores de Homs. Embora o chanceler não tenha apontado um suspeito, o Ministério da Defesa da Rússia afirmou que o bombardeio foi realizado por dois caças F-15 israelenses a partir do espaço aéreo do Líbano, e que sistemas de defesa aérea sírios conseguiram derrubar cinco dos oito mísseis disparados. Inicialmente, o governo de Assad culpara os EUA pelo ataque, mas Washington e seus aliados britânicos e franceses negaram envolvimento. A própria imprensa israelense tratou o bombardeio como obra das Forças Armadas do país.

No Conselho de Segurança da ONU, o embaixador russo, Vassily Nebenzia, negou o ataque químico e alertou que tropas russas foram deslocadas, o que poderia levar a “graves repercussões”. Em resposta, a embaixadora americana, Nikki Haley, afirmou que Washington responderá, independentemente de ações do Conselho.

— Chegamos ao momento em que o mundo precisa ver a justiça sendo feita — afirmou Haley. — A História se lembrará deste momento como aquele em que o Conselho de Segurança cumpriu seu papel ou demonstrou seu completo fracasso na proteção do povo sírio.

Nebenzia também acusou Londres e Paris de participarem de uma campanha contra a Rússia.

Fonte: AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Barra Do Corda portal de notícias, tudo sobre a nossa cidade com:

Rapidez, Verácidade e Ética.

Não se esqueça de se inscrever para receber nossas notícias. Digite seu e-mail e saiba tudo sobre Barra do Corda a nossa cidade.

Informações

Chat
Enviar via WhatsApp
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com