Relatório de Eduardo Braga defenderá hoje na CCJ indicação de Moraes ao STF

BRASÍLIA — A despeito do desgaste provocado pela participação em uma sabatina informal com senadores em um barco do senador Wilder Moraes e denúncias de plágio em sua produção acadêmica, o ex-ministro da Justiça, Alexandre Moraes, deverá ter sua indicação ao Supremo Tribunal Federal (STF) defendida pelo relator Eduardo Braga (PMDB-AM), nesta terça-feira na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Braga já encaminhou a CCJ seu relatório em que discorre sobre o currículo de Moraes e considera que ele apresenta formação técnica adequada para exercer o cargo do ministro do Supremo.

“Atendendo às determinações do art. 383, inciso I, alínea b, do RISF, o indicado apresentou as declarações abaixo indicadas, bem como argumentação sucinta em que demonstra ter experiência profissional, formação técnica adequada e afinidade intelectual e moral para o exercício da atividade, nos termos da alínea do mesmo dispositivo”, diz o relatório de Eduardo Braga.

Na sessão da CCJ hoje, o relatório de Braga deve ser lido e, na sessão de amanhã, quarta-feira, haverá pedido de vista pelo prazo de uma semana. Na outra quarta-feira, dia 22, Moraes deverá ser submetido a sabatina, mas os votos dos 27 membros da comissão, inclusive do relator, são secretos, assim como no plenário. A CCJ é presidida pelo senador Edison Lobão (PMDB-MA).

Em seu relatório reformulado ontem, o relator peemedebista diz que, em relação à produção acadêmica do indicado, nota-se atividade intensa nas áreas do direito constitucional, direito administrativo e direito penal, especialmente relacionada a temas como proteção aos direitos fundamentais, funcionamento das instituições democráticas e combate à corrupção.

Já sobre as atividades profissionais privadas de Alexandre Moraes, acusado pela oposição de ter defendido o PCC, o relatório de Braga diz que o indicado foi advogado “com atuação perante o Poder Judiciário brasileiro, tendo atuado nas áreas consultiva e contenciosa; é membro da Comissão Especial da Reforma Política da Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional São Paulo; e Conselheiro Independente da Federação Brasileira de Bancos (Febraban)”.

Segundo descreve o relator Eduardo Braga, o indicado Alexandre Moraes declarou que não é sócio, proprietário ou gerente, de empresas ou entidades não governamentais, sendo que em maio de 2016 retirou-se definitivamente do escritório “Alexandre de Moraes Sociedade de Advogados”, além de solicitar a suspensão do exercício da advocacia em virtude da assunção de cargo público para o período compreendido entre 1º de janeiro de 2015 e 12 de maio de 2016 e retirou-se definitivamente da “Lex Instituto de Estudos Jurídicos Ltda” em 18/12/2003 .

Além de discorrer sobre o currículo de Moraes, o relator Eduardo Braga incluiu em seu parecer as manifestações de apoio de várias entidades do meio jurídico.

Fonte:  MARIA LIMA do site http://oglobo.globo.com

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Barra Do Corda portal de notícias, tudo sobre a nossa cidade com:

Rapidez, Verácidade e Ética.

Não se esqueça de se inscrever para receber nossas notícias. Digite seu e-mail e saiba tudo sobre Barra do Corda a nossa cidade.

Informações

Chat
Enviar via WhatsApp
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com