gov
O lugar onde melhor se fala português no Brasil é o Maranhão? – barradocorda.com – Ribamar Guimarães – “o bom maranhense”
Publicado em: 21 de abril de 2018 - 20:33

O lugar onde melhor se fala português no Brasil é o Maranhão?

Com o aumento da demanda internacional por algodão para atender a indústria têxtil inglesa e à redução da produção norte americana por causa da Guerra de Independência nos Estados Unidos, formou-se um cenário ideal para a produção algodoeira no Maranhão no século XVIII. Nesse período considerado a fase de ouro da economia maranhense, São Luís passou a viver uma efervescência cultural. A cidade, que se relacionava mais com as cidades européias do que com outras cidades brasileiras, foi  a primeira a receber uma companhia italiana de ópera. Possuía calçamento e iluminação como poucas do país. As últimas novidades da literatura francesa eram recebidas semanalmente.

É nessa fase que São Luís passa a ser conhecida por “Atenas Brasileira”. A denominação decorre do número de escritores locais que exerceram papel importante nos movimentos literários brasileiros a partir do romantismo. Surgiu, assim, a imagem do Maranhão como o estado que fala o melhor português do país. A primeira gramática do Brasil foi escrita e editada na cidade por Sotero dos Reis . Mesmo nos dias atuais a cidade ainda tem uma grande vocação natural para a literatura e poesia.

Seria por isso, o Maranhão considerado como o lugar onde melhor se fala o português ?

No livro “Preconceito Lingüístico”*, o autor desmistifica no mito 5, o fato de que o Maranhão é o lugar onde melhor se fala o português. Seus argumentos giram em torno de pesquisas sociolingüísticas que afirmam o fato do melhor falar não depender da região geográfica. Como ele mesmo cita no livro :

“Toda variedade lingüística atende às necessidades da comunidade de seres humanos que a empregam. Quando deixar de atender, ela inevitavelmente sofrerá transformações para se adequar às novas necessidades. Toda variedade lingüística é também resultado de um processo histórico próprio, com suas vicissitudes e peripécias particulares”.

Bagno cita também um exemplo de uma entrevista onde o professor Pasquale Cipro Neto diz que realmente o português do Maranhão não é o melhor falado, e sim, que o carioca é o cidadão que melhor fala português. O autor usa essa ilustração da entrevista de Pasquale, para reforçar sua idéia de que não há local onde se fale o melhor ou o pior português, e sim que isso depende da posição social que o brasileiro possui diante da norma culta do português.

“…as pessoas das classes cultas de qualquer lugar dominam melhor a norma culta do que as pessoas das classes não cultas de qualquer lugar..”

Ainda na fala do professor Pasquale Cipro Neto, em sua entrevista á revista Veja, ele fala sobre o horror que é o português falado pelos paulistanos :

“ a São Paulo que fala “dois pastel”e “acabou as ficha” é um horror. Não acredito que o fato de ser uma cidade com grande número de imigrantes seja uma explicação suficiente para esse português esquisito dos paulistanos. Na verdade, é inexplicável”.

Segundo o autor do livro, é impossível chegar a essas conclusões pela falta de argumentos científicos por parte do professor Pasquale. Não há uma especificidade de faixa etária, classe social ou nível de instrução das pessoas as quais trata o professor.

O autor também comenta acerca dos erros de concordância já citados acima, dizendo que esses erros são facilmente encontrados na fala dos cariocas; para comprovar isso, o autor cita gravações do projeto CENSO que investiga o uso da língua no Rio de Janeiro nas classes sociais não cultas ( pessoas que não cursaram universidade ). Além disso, o autor cita a existência destes mesmos erros em todo o Brasil e até em Portugal – comprovando este último com a citação do trabalho da professora Maria Marta Scherre.

Enfim, podemos concluir que a idéia principal é a de que a regionalidade não implica em maior ou menor grau de obediência das normas cultas da língua, o que determina essa obediência é o nível de instrução de cada indivíduo, de modo que as classes menos favorecidas social e culturalmente tendem a desviar, na fala, um pouco da representação escrita da língua. As variações são inevitáveis, devido a atributos de descendência e segmentos de hábitos locais, mas a norma culta da escrita não fica prejudicada porque pessoas em determinados locais não seguem, na fala, os padrões formais da escrita.

Fonte: fabioprocopio.wordpress.com

Deixe um comentário

XHTML: Você pode usar essas tags html: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Rádio

Enquete

Você é a favor do isolamento social em época do Coronavírus?

  • Sim (100%, 7 Votos)
  • Não (0%, 0 Votos)

Total de votantes: 7

Carregando ... Carregando ...

Facebook

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com