Número de casos de feminicídio no Maranhão em 2017 supera todo o ano passado

O número de casos de feminicídio deste ano superou todo o ano passado, no Maranhão. Segundo a polícia, já foram confirmados 30 casos de feminicídio em 2017, sendo 7 especificamente na região metropolitana de São Luís. O número já é maior que o registrado em 2016, quando foram confirmados 26 casos.

De acordo com a delegada Viviane Azambuja, chefe do Departamento de Feminicídio do Maranhão, casos em que o homem se sente dono da mulher é frequente em feminicídios. “A mulher vista como objeto, como propriedade… quando ela não pode falar com ninguém, não pode falar com ninguém… É nesse sentido que se dá a maioria dos casos de feminicídio”, declarou a delegada.

O atlas da violência, do Instituto de Pesquisas Econômicas e Aplicadas(IPEA), aponta o Maranhão como o Estado onde mais morrem mulheres assassinadas no Brasil. O atlas também informa que, no território maranhense, o crime mais cresceu entre 2005 e 2015. O aumento foi de 130%. Para a delegada Viviane, qualquer tipo de supressão de direitos já deve motivar a mulher a denunciar. “Quando sofrer uma humilhação, uma opressão, ou quando esse companheiro estiver querendo limitar até o direito de ir e vir, a mulher já tem motivo suficiente para procurar a delegacia da mulher, relatar o que está acontecendo e pedir ajuda”, destacou.

Recentemente, alguns casos chamaram a atenção pela crueldade. Rosângela de Jesus Gonçalves, 43 anos, saiu de casa no domingo(5) e foi encontrada morta dois dias depois. O corpo estava nu, com sinais de estrangulamento, debaixo de um monte de areia em um depósito de material de construção na Vila Riod.

Segundo a polícia, o principal suspeito é um homem com quem ela vinha mantendo uma relação afetiva há alguns dias. Ele chegou a ser detido, mas o pedido de prisão temporária foi negado pela Justiça. A mãe de Rosângela, Lucinéia Gonçalves, disse que ela tinha voltado pra casa antes de desaparecer. “Ela veio com um rapaz. Ele disse que não queria dormir com ela, mas ela insistiu. Eu disse para ela não sair, mas ela saiu e eu não vi mais ela”, declarou Lucinéia.

Na semana passada, a menina Alanna Ludmila, de 10 anos, foi estuprada e assassinada no bairro Maiobão. O ex-padrastro dela, Robert Serejo, foi preso enquanto tentava fugir de São luís. À polícia, Robert confessou o crime.

Alanna Ludmilla desapareceu na quarta-feira (1º) em Paço do Lumiar. (Foto: Reprodução/TV Mirante)

Alanna Ludmilla desapareceu na quarta-feira (1º) em Paço do Lumiar. (Foto: Reprodução/TV Mirante)

Francisco das Chagas, ex-superintendente da Defesa Civil de Imperatriz. (Foto: Reprodução/TV Mirante)

Francisco das Chagas, ex-superintendente da Defesa Civil de Imperatriz. (Foto: Reprodução/TV Mirante)

No dia 16 de outubro, Dielli Viana, de 22 anos, teve 40% do corpo queimado e está internada na Unidade de Terapia Intensiva(UTI). O auxiliar de serviços gerais, Nahim Leomel da Silva Ribeiro, é o principal suspeito de atear fogo no corpo da companheira e está sendo procurado pela polícia.

Nahim Leomel é procurado pela polícia.  (Foto: Reprodução/TV Mirante)

Nahim Leomel é procurado pela polícia. (Foto: Reprodução/TV Mirante)

Debate

Com o tema “Quem silencia, dá voz à violência”, o Departamento de Feminicídio da Polícia Civil promoverá a I Semana de Combate ao Feminicídio, entre os dias 10 a 13 deste mês, em vários pontos de São Luís. O evento busca incentivar o diálogo e a conscientização de homens e mulheres para combater a violência doméstica e os feminicídios.

A abertura oficial será na próxima sexta-feira (10), às 19h, no Shopping da Ilha, com apresentação de um grupo de balé e aulas de defesa pessoal. No sábado (11) haverá uma caminhada pelo fim do feminicídio na Avenida Litorânea, com concentração às 16h30, em frente à Casa das Dunas. Já no domingo(12), o projeto contará com um ato-show a ser realizado na feirinha da Praça Benedito Leite, Centro de São Luís, com início às 8h.

A semana de conscientização será encerrada na segunda-feira (13), Dia Estadual de Combate ao Feminicídio. Na ocasião, será promovida uma audiência pública na Assembleia Legislativa, às 15h, com a presença de familiares e amigos de vítimas do feminicídio.

Fonte: G1 MA, São Luís

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Barra Do Corda portal de notícias, tudo sobre a nossa cidade com:

Rapidez, Verácidade e Ética.

Não se esqueça de se inscrever para receber nossas notícias. Digite seu e-mail e saiba tudo sobre Barra do Corda a nossa cidade.

Informações

Chat
Enviar via WhatsApp
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com