gov
Maia diz que estados ‘não sobrevivem 3 meses’ com plano de socorro anunciado pelo governo – barradocorda.com – Ribamar Guimarães – “o bom maranhense”
Publicado em: 14 de abril de 2020 - 20:41

Maia diz que estados ‘não sobrevivem 3 meses’ com plano de socorro anunciado pelo governo

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, criticou o plano de socorro aos estados e municípios apresentado nesta terça-feira (14) pelo governo federal. Para Maia, o plano é insuficiente. Segundo ele, governadores e prefeitos “não sobrevivem três meses” com o montante previsto pelo governo.

A área econômica do governo federal anunciou uma proposta para aumentar em R$ 77 bilhões a ajuda da União para estados e municípios, como alternativa a um projeto aprovado pela Câmara nesta segunda-feira (13). O projeto prevê a recomposição, pelo governo federal, durante seis meses, das perdas de arrecadação de estados e municípios em razão da crise do novo coronavírus.

Pela proposta do governo, o valor total de ajuda federal a estados e municípios alcançaria R$ 127,3 bilhões – R$ 49,9 bilhões já haviam sido anunciados em março.

Na avaliação de Maia, no entanto, o governo infla os números com recursos já transferidos. Segundo ele, o anúncio do governo para recompor as perdas das receitas de estados e municípios com Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS, estadual) e Imposto Sobre Serviços (ISS, municipal) garantem R$ 22 bilhões aos entes federativos, valor considerado insuficiente pelo presidente da Câmara.

“O que tem de novo na proposta são R$ 22 bilhões. O governo fica usando recursos que já estão transferidos, decisões que já foram tomadas”, afirmou.

Em relação à recomposição das perdas dos ICMS e do ISS disse ter a impressão de que esses RS 22 bilhões resumem a proposta do governo.

“R$ 22 bilhões, eu digo: os governadores e prefeitos que têm o ICMS e ISS como sua principal base de arrecadação não sobrevivem por três meses”, disse Maia.

Segundo Maia, a proposta anunciada pelo governo, que será feita via medida provisória, vai “deixar todos em situação muito difícil”.

Ele ressaltou ainda que municípios que administram o maior número de UTIs serão os mais prejudicados.

“Em pouco tempo, muitos vão perder a condição de pagar salários, e hoje alguns já não têm essa condição, como Minas Gerais. Acho que a proposta do governo, limitada a R$ 22 bilhões, é uma proposta, mas acho que ela não resolve, e ela vai gerar muito conflito e muito problema”, destacou o presidente da Câmara.

Segundo Maia, “a verdade não machuca ninguém”.

“O que o governo está propondo para estados e municípios, pela regra, pelo que está na planilha deles, são R$ 22 bilhões que não resolvem três meses dos estados, muito menos a inclusão dos municípios”, disse Maia.

Congelamento de salários

Maia cobrou mais uma vez do governo o envio de uma proposta para congelamento de salários dos servidores do Poder Executivo.

Para o presidente da Câmara, Bolsonaro não quer enviar a proposta ao parlamento. “Isso tem de ficar claro para a sociedade”, disse.

“Há uma medida provisória do governo dando recursos a estados e municípios sobre o FPE [Fundo de Participação dos Estados] e FPM [Fundo de Participação dos Municípios]. Não tem nenhuma contrapartida aqui. Por que o presidente da República não assinou o congelamento de salário dos servidores públicos? Estamos prontos para votar a proposta do governo. O que o governo não pode é tratar o parlamento como barriga de aluguel”, protestou.

Disputa política

Maia criticou ainda o argumento do governo, segundo o qual a proposta da Câmara, que permite a recomposição total da perda de arrecadação de ICMS e ISS, sem contrapartidas, incentivará que estados e municípios relaxem na arrecadação.

Para ele, imaginar que algum gestor irá fazer “alguma esperteza” num momento de crise no país para se beneficiar da recomposição é sinalizar que “prefeitos e governadores são desonestos”.

Segundo Maia, o que está por trás é a resistência do governo em ajudar estados governados por adversários políticos.

“O que o governo quer fazer – do meu ponto de vista, respeitando, claro, a vontade do governo – é criar um conflito político federativo, que deveria ser deixado para outro momento. As eleições nacionais acontecerão em 2022. Lá que nós deveremos fazer a disputa política, a disputa eleitoral”, afirmou.

Fonte: Luiz Felipe Barbiéri, Fernanda Calgaro e Elisa Clavery, G1 e TV Globo — Brasília

Deixe um comentário

XHTML: Você pode usar essas tags html: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Rádio

Enquete

Você é a favor do isolamento social em época do Coronavírus?

  • Sim (100%, 7 Votos)
  • Não (0%, 0 Votos)

Total de votantes: 7

Carregando ... Carregando ...

Facebook

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com