Lula pede ao STF para reconhecê-lo como ministro após decisão sobre Moreira

Poucas horas após o ministro Celso de Mello manter Moreira Franco como chefe da Secretaria-Geral da Presidência, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu nesta terça-feira (14) ao Supremo Tribunal Federal que julgue recurso para reconhecê-lo como ministro da Casa Civil.

Em 17 de março do ano passado, Lula tomou posse como ministro da Casa Civil do governo Dilma Rousseff. No mesmo dia, porém, o ministro do STF Gilmar Mendes suspendeu a nomeação, argumentando que Lula tentou fraudar as investigações sobre ele na Operação Lava Jato.

Mais cedo, nesta terça, o ministro Celso de Mello rejeitou pedidos da Rede e do PSOL para suspender a nomeação de Moreira Franco na Secretaria-Geral.

Os partidos argumentaram que, citado em delação na Operação Lava Jato, o peemedebista tomou posse no último dia 3 em uma tentativa do presidente Michel Temer de blindá-lo das investigações. Na avaliação dessas legendas, o caso de Moreira é semelhante ao de Lula.

“Na verdade, a fundamentação exposta pelo decano desta Suprema Corte [Celso de Mello] para indeferir a liminar ali pleiteada [pela Rede e pelo PSOL], inclusive no tocante à legitimação ativa ‘ad causam’ de agremiações partidárias para a impetração de mandado de segurança coletivo, coincide com os argumentos apresentados pelo peticionário [Lula] na defesa apresentada nestes autos”, diz o pedido de Lula.

“Relembre-se e reitere-se, por oportuno, que o peticionário, à época dos fatos, preenchia todos os requisitos previstos no artigo 87 da Constituição Federal para o exercício do cargo de ministro de Estado”, acrescenta o ex-presidente.

‘Erro histórico’

Na semana passada, Lula já havia pedido para que o Supremo corrigisse o “erro histórico” de ter suspendido a nomeação dele na Casa Civil.

No pedido desta terça, o ex-presidente argumentou que o caso “torna-se mais relevante” em razão da situação de Moreira Franco, que foi mantido ministro e com foro privilegiado – quando a pessoa só pode ser processada no STF e ser investigada com autorização da Corte.

O ex-presidente Lula disse ainda que, no caso dele, a decisão de afastá-lo da Casa Civil em 2016 produziu “graves – e irreversíveis – consequências para o peticionário e para o país”, mas que “não se pode permitir que um ato jurídico válido, que foi a nomeação do peticionário para o cargo de ministro de Estado, fique com uma mácula indevida”.

Argumentos

Nos pedidos levados ao STF, a Rede e o PSOL argumentaram que houve uma “artimanha” do presidente Michel Temer ao nomear Moreira Franco, além de desvio de finalidade. As legendas sustentaram que a intenção seria evitar o andamento normal de eventuais investigações contra o peemedebista na Operação Lava Jato, impedir uma futura prisão e atrasar o julgamento dele.

O presidente, por sua vez, em manifestação enviada ao Supremo, disse que não houve desvio de finalidade na nomeação de Moreira e que o ministro é protegido pela chamada “presunção da inocência”. “A existência de qualquer vício no ato administrativo não passa de mera elucubração”, dizia trecho do documento.

Fonte: Mariana Oliveira, TV Globo, Brasília

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Barra Do Corda portal de notícias, tudo sobre a nossa cidade com:

Rapidez, Verácidade e Ética.

Não se esqueça de se inscrever para receber nossas notícias. Digite seu e-mail e saiba tudo sobre Barra do Corda a nossa cidade.

Informações

Chat
Enviar via WhatsApp
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com