Lula depõe hoje sobre suspeita de obstrução

O Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva prestará depoimento nesta terça-feira (14) ao juiz Ricardo Leite, da 10ª Vara Federal de Brasília, para explicar a suspeita de que tentou obstruir as investigações da Operação Lava Jato.

Lula é um dos sete réus da ação penal aberta em julho do ano passado para investigar se houve uma tentativa do grupo de convencer o ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró a não fechar acordo de delação premiada.

Segundo as investigações, Lula, o senador cassado Delcídio do Amaral (sem partido-MS), o ex-chefe de gabinete de Delcídio Diogo Ferreira, o banqueiro André Esteves – sócio do BTG Pactual –, o advogado Edson Ribeiro, o pecuarista José Carlos Bumlai e o filho dele, Maurício Bumlai, teriam tentado impedir que Cerveró revelasse à Justiça detalhes do esquema de corrupção que atuava na Petrobras em troca de uma redução da pena.

O ex-presidente da República deveria ter sido ouvido pela Justiça Federal de Brasília em fevereiro. Mas o juiz responsável pelo caso adiou o depoimento para esta terça-feira a pedido da defesa de Lula. A mudança foi autorizada em razão da morte da ex-primeira-dama Marisa Letícia.

Os depoimentos dos outros seis réus da ação penal estão marcados para esta sexta-feira (17), também em Brasília.

À época da abertura da ação penal, em julho do ano passado, a defesa do ex-presidente alegou, em nota, que Lula já esclareceu, em depoimento à Procuradoria Geral da República (PGR), que “jamais interferiu ou tentou interferir em depoimentos relativos à Lava Jato“.

Esquema especial de trânsito

De acordo com a Justiça Federal do DF, o trânsito na via W2 Norte, na Asa Norte, ficará interditado entre as quadras 509 e 510, em razão do depoimento do ex-presidente. O edifício da 10ª Vara Federal de Brasília fica nessa região.

Ainda de acordo com a assessoria da Justiça Federal, a interdição do trânsito neste trecho foi recomendado pela Polícia Militar, para “evitar grandes manifestações contrárias ou a favor do interrogado”.

Entenda o caso

Em novembro de 2015, o então senador Delcídio do Amaral foi preso pela Polícia Federal após ter sido gravado pelo filho de Nestor Cerveró prometendo à família do ex-diretor da área internacional da Petrobras que iria conversar com ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) para tentar libertá-lo.

À época, Cerveró estava preso preventivamente em Curitiba, acusado de participar do esquema que desviou dinheiro da Petrobras. Delcídio, naquela ocasião, era o líder do governo Dilma Rousseff no Senado.

Em um dos trechos do áudio gravado pelo filho de Cerveró, o ex-senador petista sugeriu um plano de fuga no qual o ex-dirigente da estatal iria para a Espanha passando pelo Paraguai.

Na gravação, Delcídio também prometeu ajuda financeira de R$ 50 mil mensais para a família de Cerveró e honorários de R$ 4 milhões para o advogado Édson Ribeiro, que, até então, comandava a defesa do ex-diretor da Petrobras na Lava Jato.

Em contrapartida, apontam as investigações, Cerveró omitiria em sua delação premiada fatos envolvendo Delcídio, Lula, Bumlai, André Esteves e os demais acusados de obstruir a operação.

Em maio do ano passado, quando incluiu Lula, Bumlai e Maurício Bumlai na denúncia que já havia sido apresentada ao STF contra Delcídio, André Esteves, Diogo Ferreira e Édson Ribeiro, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, disse que o ex-presidente controlou as decisões do esquema operado na estatal.

Janot também afirmou na acusação que Lula tentou influenciar o andamento da Lava Jato.

A denúncia acusa os sete réus de três crimes: embaraço à investigação de organização criminosa, que prevê pena de 3 a 8 anos de prisão; patrocínio infiel (que é quando advogado não defende corretamente interesses do cliente).

Os outros réus foram considerados coautores de Édson Ribeiro neste crime, que prevê pena de 6 meses a 3 anos; e exploração de prestígio, cuja pena prevista é de 1 a 5 anos.

Outras investigações sobre Lula

Além do processo que apura o caso envolvendo Cerveró, Lula é réu em outras duas ações penais em Brasília e em mais duas no Paraná.

Saiba abaixo:

Justiça Federal do Distrito Federal

Justiça Federal do Paraná

  • Suspeito de ter recebido vantagens indevidas da construtora OAS. Lula é acusado de ter recebido da empreiteira baiana um apartamento triplex no Guarujá (SP). Além disso, o MPF afirma que a OAS bancou as despesas para armazenar parte do acervo pessoal do ex-presidente da República;
  • Acusado de receber propina da Odebrecht por meio da compra de um terreno para a construção da nova sede do Instituto Lula e da aquisição de um imóvel vizinho ao apartamento do ex-presidente, em São Bernardo do Campo.

Fonte: http://g1.globo.com

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Barra Do Corda portal de notícias, tudo sobre a nossa cidade com:

Rapidez, Verácidade e Ética.

Não se esqueça de se inscrever para receber nossas notícias. Digite seu e-mail e saiba tudo sobre Barra do Corda a nossa cidade.

Informações

Chat
Enviar via WhatsApp
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com