Inflação oficial perde força e fica em 0,9% em fevereiro, diz IBGE

O Índice de Preços ao Consumidor – Amplo (IPCA),considerado a inflação oficial do país, ficou em 0,9% em fevereiro, depois de subir 1,27% no mês anterior, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No ano, o índice acumula alta de 2,18% e, em 12 meses, de 10,36%.

Preços dos alimentos subiram menos e puxaram inflação para baixo. (Foto: REUTERS/Paulo Whitaker)
Preços dos alimentos subiram menos e puxaram inflação para baixo. (Foto: REUTERS/Paulo Whitaker)

No segundo mês do ano, o IPCA foi fortemente influenciado pelo comportamento de dois tipos de despesas, com educação e com alimentos. Enquanto a alta dos gastos relativos à educação subiu – de 0,31% em janeiro para 5,90% no mês seguinte -, reflexo do período de início das aulas, o avanço dos preços dos alimentos caiu pela metade (de 2,28% para 1,06%).

“Apesar de a inflação ter fechado o ano de 2015 em mais de 10%, o repasse não chegou a 8% [nos cursos regulares]. Ficou no mesmo nível dos anos anteriores. Isso mostra uma certa cautela em repassar [esses aumentos]. O que se está vendo nesse ano nas mensalidades escolares é que algumas até recuaram. Vimos reduções em relação ao ano anterior e já notícias de muitas negociações de pai de alunos no objetivo de reduzir o reajuste, dada a dificuldade, o desemprego e tudo mais. Há também alunos que vêm saindo de escolar particular para pública e pessoas se mudando para cidades menores”, disse Eulina Nunes dos Santos, coordenadora de índice de preços do IBGE.

Assim como os alimentos, também desacelerou a variação de preços de transportes (de 1,77% para 0,62%), puxada pela queda de 15,83% nas passagen aéreas. Por outro lado, subiram os preços de ônibus urbanos (2,61%), ônibus intermunicipais (2,17%), etanol (4,22%) e gasolina (0,55%).

Eulina Nunes explicou que a queda dos preços das passagens áreas ocorreram por causa da baixa demanda e que, junto com a energia elétrica, houve uma contribuição de 0,17 ponto percentual no índice do mês de fevereiro. “Empresas áreas tentando negociar de alguma forma e colocando a questão de grande redução do consumo, junto com a energia. As contas tiveram queda de 2,16% em fevereiro considerando a taxa extra cobrada da bandeira tarifária vermelha, que passou de R$ 4,50 para R$ 3 em cada 100 quilowatts consumidos. Teve peso grande a questão da redução da bandeira [na inflação de fevereiro].”

“No caso dos alimentos – além da redução do consumo – tem a questão da safra. O primeiro semestre se caracteriza pela entrada da safra no mercado. Tem oferta maior, como é o caso da cebola, batata e tomate. Então, a oferta está maior com uma certa limitação do consumo.”

O que ficou mais barato de janeiro para fevereiro foram os gastos relacionados à habitação (de 0,81% para -0,15%), sob influência das contas de energia elétrica (-2,16%). “Este comportamento se deve à redução no valor da bandeira tarifária vermelha, que passou de R$ 4,50 para R$ 3,00 por cada 100 kilowatts-hora consumidos, a partir de 1º de fevereiro”, disse o IBGE, em nota.

“Foi um recuo bastante significativo [de 1,27% para 0,9%] ainda mais se a gente observar que em fevereiro é o mês em que é apropriado o reajuste das mensalidades da educação, que é um reajuste pontual. Em geral, os meses de fevereiro de cada ano são fortes de educação. E com isso, a taxa dos últimos 12 meses também apresentou recuo”, analisou Eulina.

A coordenadora ressaltou, contudo, que o resultado do mês em 2016 – apesar de ter sido menor do que o de fevereiro de 2015, que foi impactado na época pelo reajuste da energia elétrica – é uma das maiores taxas para o mês na série histórica. “Não significa que os preços caíram, desaceleram, mas o nível de preços continua alto.”

Na contramão, ganharam força os avanços de preços de saúde e cuidados pessoais (de 0,81% para 0,94%), comunicação (de 0,22% para 0,66%), de artigos de residência (de 0,45% para 1,01%) e de vestuário (de -0,24% para 0,24%). Apesar de haver mais grupos que registrararam aceleração em vez de desaceleração, o IPCA não seguiu a tendência de alta porque o peso dessas despesas no cálculo do índice é pequeno.

Alimentos em Salvador
Entre as regiões analisadas pelo IBGE, a que registrou a maior taxa foi Salvador (1,41%), destacando-se a alta de 2,55%, puxada pelos preços dos alimentos. Na outra ponta está Vitória (0,28%), também sob influência dos alimentos.

INPC
O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), também divulgado pelo IBGE nesta quarta-feira, desacelerou para 0,95% em fevereiro,  após avançar 1,51% no mês anterior. No ano, o índice acumula 2,47% e, em 12 meses, de 11,08%.

Expectativa
expectativa do mercado é que o IPCA encerre 2016 em 7,59%. Com isso, permanece acima do teto de 6,5% do sistema de metas e bem distante do objetivo central de 4,5% fixado para este ano.

Fonte: Anay Cury e Cristiane Caoli Do G1, em São Paulo e no Rio

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Barra Do Corda portal de notícias, tudo sobre a nossa cidade com:

Rapidez, Verácidade e Ética.

Não se esqueça de se inscrever para receber nossas notícias. Digite seu e-mail e saiba tudo sobre Barra do Corda a nossa cidade.

Informações

Chat
Enviar via WhatsApp
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com