Filho diz que Capita só reclamava do joelho: “Estava bem humorado”

Alexandre Torres, filho de Carlos Alberto Torres, passou a terça-feira calado. No dia em que recebeu uma das piores notícias da sua vida, a morte repentina do pai, Alexandre evitou falar com a imprensa e, mesmo diante dos amigos, se manteve introspectivo. Só foi se pronunciar publicamente ao deixar o velório, já na madrugada de quarta.

– Ele não reclamou. Eu estava viajando e só cheguei agora. Ele teria uma reunião na hora do almoço e estava bem humorado. Falamos por telefone, mas ele não reclamou de nada. Só tinha uma queixa eterna no joelho. Pegou todo mundo de surpresa. Saí pra resolver um problema particular e vi inúmeras ligações… Cheguei no hospital já sabendo que estava morto, infelizmente. Essa grande tristeza – disse Alexandre, ao final da cerimônia na CBF.

Alexandre Torres, velório Carlos Alberto Torres (Foto: Thierry Gozzer)
Muito abatido, Alexandre Torres registrou a dor pela perda do pai (Foto: Thierry Gozzer)

Vai o ex-jogador, fica a lenda – e o fato de ter erguido a taça do tricampeonato no México gravado na história. Mas, para a família, tudo isso fica em segundo plano.

– A história do Carlos Alberto, como jogador na Copa de 70, está eternizada pelo que ele foi como atleta. A saudade agora será dele como pai, avô e bisavô. Às vezes as pessoas não conhecem a pessoa. Conhecem o mito apenas. Mas desconhecem o grande coração, alguém que gostava das pessoas e de reunir os amigos. Não tem mais o que falar. Ele está na história – completou o filho do Capita.

Alexandre Torres, velório Carlos Alberto Torres (Foto: Thierry Gozzer)
Torres destacou o homem Carlos Alberto Torres (Foto: Thierry Gozzer)

Para Alexandre, que foi jogador profissional e chegou a defender as cores do Fluminense e do Vasco (além de ter defendido a seleção brasileira durante um amistoso em 1992), o grande legado do pai foi a postura, a liderança como encarava o futebol.

– Ele tinha uma liderança absurda. Jogadores mais velhos que ele perguntavam coisas para meu pai. Mas ele era o capitão e tinha essa lideranças que nasceu com ele. Quem conviveu com ele sabe que era uma coisa positiva

Tanto Fluminense quanto Botafogo ofereceram suas dependências para que o capitão do tricampeonato mundial no México fosse velado. Mas a identificação com a seleção brasileira o levou até a sede da CBF, onde seu corpo foi coberto com a bandeira nacional.

– O meu pai jogou por vários clubes do Brasil, mas era uma figura nacional. Jogou pela grande seleção, a de 70. Acredito que terá diversas homenagens. No momento, ainda não estamos sabendo de nada. Eu, como familiar, é que não vou puxar a corda.

Fonte: Rio de Janeiro

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Barra Do Corda portal de notícias, tudo sobre a nossa cidade com:

Rapidez, Verácidade e Ética.

Não se esqueça de se inscrever para receber nossas notícias. Digite seu e-mail e saiba tudo sobre Barra do Corda a nossa cidade.

Informações

Chat
Enviar via WhatsApp
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com