gov
Falta de presença feminina afeta políticas públicas e econômicas do Brasil – barradocorda.com – Ribamar Guimarães – “o bom maranhense”
Publicado em: 11 de agosto de 2018 - 11:15

Falta de presença feminina afeta políticas públicas e econômicas do Brasil

De perto, o Brasil não é normal. De longe então, nem se fala. Atado eternamente às discussões sobre a necessidade da reforma da Previdência, amarrado aos demazelos políticos e econômicos, isolado do resto do mundo, o país não permite que floresçam as discussões que têm estado no centro do debate internacional. Discussão das mais importantes é o papel das mulheres na política e na academia – o atraso brasileiro é gritante nas duas áreas. Na academia, como mostrou excelente matéria de Cássia Almeida para o jornal O Globo de 28 de janeiro deste ano, a hostilidade enfrentada pelas mulheres em diversas áreas é notável, forçando muitas a abandonarem a carreira acadêmica. Na política a situação é igualmente grave. Para os que acham que isso pouco importa, dados e fatos revelam o contrário. A falta da presença feminina nessas áreas afeta a priorização das políticas públicas, a composição da política econômica, e os possíveis rumos do país.

Consideremos a política. A Lei nº 9.504/1997 estabeleceu que cada partido ou coligação deve reservar pelo menos 30% de suas vagas para as candidaturas de mulheres. No entanto, dados compilados pelo Inter-Parliamentary Union revelam quadro desalentador: entre os 187 países analisados até dezembro de 2017, o Brasil ocupava a 151a posição no quesito representatividade das mulheres no Congresso. A primeira posição – há tempos – pertence não a um país escandinavo como muitos esperariam, mas à Ruanda, cujas leis para estimular a representatividade política feminina e para remover barreiras são objeto de estudo mundo afora. Entre as 10 primeiras posições há 3 países africanos (Ruanda, Senegal, e África do Sul), 3 países escandinavos (Suécia, Finlândia, e Noruega), e 4 países latino-americanos (Bolívia, Cuba, Nicaragua, e México). Nesses países, as mulheres ocupam cerca de 40% dos respectivos Parlamentos. No Brasil, as mulheres ocupam cerca de 12% das cadeiras no Congresso Nacional, duas décadas após a introdução da lei de cotas para as candidaturas. O fracasso da legislação não poderia ser mais retumbante.

É raro encontrar no Brasil pesquisas rigorosas que revelem as diferenças entre homens e mulheres nas prioridades para as políticas públicas. Aqui nos EUA, entretanto, esse tema é levado a sério. Pesquisa conduzida em 2014 entre economistas norte-americanos (ver http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/coep.12004/full) revelou que: mais mulheres economistas se preocupam com temas relativos à desigualdade e à distribuição de renda do que homens (63% delas contra 45% deles); mulheres economistas tendem a acreditar menos na tese de que as políticas de regulação sejam excessivas e a dizer mais vezes que as políticas públicas são demasiado viesadas a favor do crescimento econômico sem levar em conta adequadamente o impacto ambiental dessas políticas; elas defendem com maior vigor políticas de assistência ao trabalhador, sobretudo a obrigatoriedade do seguro-saúde pelo empregador (nos EUA não há obrigatoriedade) e a provisão de creches públicas pelo Estado. Caso pesquisa semelhante fosse feita no Brasil, talvez surgissem diferenças notáveis na visão de economistas homens e mulheres sobre as medidas que o país deveria priorizar.

O problema é que a existência dessas possíveis diferenças apenas se refletiria na formulação e adoção de políticas públicas se houvesse maior equilíbrio de gêneros no Congresso Nacional, algo que parece muito distante de acontecer. Não há ainda no Brasil consenso amplo a respeito da importância da diversidade na política e no debate público. Chama atenção que nas discussões sobre a economia brasileira sobrem os homens economistas, ainda que existam tantas mulheres economistas capazes de influenciar a discussão pública. Essa situação se perpetua com uma imprensa que se acostumou a dar voz quase exclusivamente aos mesmos renomados economistas. Essa situação se perpetua em um governo onde as caras femininas são escassas. Essa situação se perpetua no engessamento dos partidos políticos cujos caciques não percebem a importância das mulheres para a sua própria renovação e modernização.

Termino com uma anedota. Em 2013 fui chamada para moderar um painel de economistas – todos homens exceto eu. Ao introduzir-nos, renomado político brasileiro referiu-se aos integrantes do painel como “esses homens brilhantes”. Viés inconsciente?

Monica de Bolle

Monica de Bolle

Monica de Bolle, 46 anos, é pesquisadora-sênior do Peterson Institute for International Economics e diretora do Programa de Estudos Latino Americanos da Johns Hopkins University, em Washington, D.C. Escreve para o Poder360 mensalmente, na segunda 3ª feira do mês.

Deixe um comentário

XHTML: Você pode usar essas tags html: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Rádio

Enquete

Se você fosse o Presidente Eleito do Brasil o que melhoraria de imediato no País?

Ver Resultados

Carregando ... Carregando ...

Videos

Facebook