Faleceu na madrugada desta sexta-feira ‘dona Dijé’ líder quilombola do Maranhão

Faleceu na madrugada desta sexta-feira, aos 70 anos, (14) Maria de Jesus Bringelo, conhecida como a ‘dona Dijé’. Ela era quilombola, fundadora do Movimento Interestadual das Quebradeiras de Coco Babaçu e um referencial para a luta dos povos e comunidades tradicionais no Maranhão e no Brasil.

Dijé estava em Brasília e chegou a ser oficialmente empossada como conselheira dos povos e comunidades tradicionais, após uma luta pela regulamentação do conselho. A ferramenta busca implementar a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável de Povos e Comunidades Tradicionais, considerada fundamental para o combate à violência e violação de direitos das comunidades.

Em Brasília, 'dona Dijé' foi empossada como conselheira dos povos e comunidades tradicionais. — Foto: Reprodução/TV Mirante

Em Brasília, ‘dona Dijé’ foi empossada como conselheira dos povos e comunidades tradicionais. — Foto: Reprodução/TV Mirante

A líder das quebradeiras de coco começou a passar mal ainda em Brasília e pediu para voltar ao Quilombo de Monte Alegre, em São Luiz Gonzaga, onde sofreu um infarto fulminante.

O Movimento Interestadual das Quebradeiras de Coco Babaçu emitiu uma nota de pesar pela morte de Dijé.

Uma mãe palmeira se despede. A notícia que não queríamos dar. Esta noite perdemos uma grande mulher, mãe, avó e liderança que faleceu de infarto fulminante, a dona Maria de Jesus Bringelo, dona Dijé. Mulher negra, quilombola, quebradeira de coco babaçu, um referencial de sabedoria e de um ser humano e um referencial para a luta dos povos e comunidades tradicionais. Uma profunda tristeza invade os nossos corações e custamos a acreditar que não mais compartilharemos de seu sorriso, de sua adorável companhia do seu jeito firme e suave de se posicionar. Ficam a história, o aprendizado e o exemplo quem sempre lutou pelos direitos das mulheres, dos quilombolas, dos indígenas, dos pct´s e de quem sempre lutou pelo acesso livre ao território. Como ela mesma falava “Nós queremos o território para nascer, viver, germinar e morrer”. E foi assim, no quilombo Monte Alegre que ela se despediu. Nós e as florestas de babaçuais sentimos a sua falta. Segue Mãe Palmeira teu caminho. Tua trajetória foi vitoriosa e teus ensinamentos já fizeram e reforçaram a luta pela liberdade e dignidade dos povos. Dijé presente!

Fonte: G1 MA, São Luís

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Barra Do Corda portal de notícias, tudo sobre a nossa cidade com:

Rapidez, Verácidade e Ética.

Não se esqueça de se inscrever para receber nossas notícias. Digite seu e-mail e saiba tudo sobre Barra do Corda a nossa cidade.

Informações

Chat
Enviar via WhatsApp
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com