Estudo mostra indígenas no DF em desvantagem na renda e nos estudos

Indígenas que vivem no Distrito Federal têm menor renda e menor nível educacional que o restante da população do DF, segundo estudo inédito da Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan). Os indígenas habitam o Planalto Central há pelo menos 8 mil anos. Mesmo assim, não existem terras indígenas demarcadas no DF. Isso dificulta tanto a coleta de dados quanto o atendimento à essa população.

“Os serviços urbanos não são preparados para lidar com a questão indígena, muitas vezes deixando de coletar e de fornecer informações sobre o seu atendimento nas áreas de saúde, educação, assistência social e outras”, diz o texto, que acrescenta que o acesso às informações é dificultado pelo fato de pesquisas sobre a população indígena não aprofundarem as especificidades desse público quando fora de territórios demarcados.

Atualmente, segundo o estudo População indígena – Um primeiro olhar sobre o fenômeno do índio urbano na Área Metropolitana de Brasília, com base nos dados do Censo Demográfico de 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 6.128 indígenas moram no DF, o equivalente a 0,24% dessa população no Brasil. Considerada a área do entorno do DF, em Goiás, esse número chega a 7.790. A maior parte vive na área urbana, 97%.

O estudo mostra que os indígenas têm renda inferior ao restante da população do DF. Mais da metade, 55%, declarou perceber, individualmente, mais de um a três salários mínimos mensais; 24,8% recebem até um salário mínimo. Apenas 4,7% desse grupo têm rendimento superior a cinco salários mínimos.

Os dados são de 2013, da Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílios e mostram que, considerando a população total do DF, verificam-se proporções bastante diferentes, em especial na faixa de rendimento mais alta, na qual estão 23,8% das pessoas. Recebem mais de 10 salários mínimos mensais, 9,7% da população total, faixa em que não se encontra qualquer percentual de indígenas.

A população indígena é também proporcionalmente a maior beneficiária do Bolsa Família, programa de transferência de renda do Governo Federal, com 15,2% de sua população coberta, superando a negra, da qual 12,6% usufruem dos benefícios. De acordo com o estudo, a população negra é conhecida por raramente superar os indicadores da população autodeclarada branca ou amarela.

“Esse dado demonstra que o povo indígena é o mais fragilizado na sociedade, considerando tratar-se de um programa de transferência direta de renda, que beneficia famílias em situação de pobreza e de extrema pobreza”, analisa o texto.

O estudo destaca a escolarização como um fator determinante da situação socioeconômica. Entre os indígenas do DF, a proporção de pessoas de 15 anos ou mais não alfabetizadas é superior ao de quaisquer outros grupos étnicos, ficando em 5,3%. A população negra soma 4,3% de analfabetos, enquanto a não negra tem a menor taxa, de 2,4%.

Índios que participam do Acampamento Terra Livre, montado na Esplanada dos Ministérios, fazem manifestações (Elza Fiúza/Agência Brasil)
Só 3,1% dos índigenas com mais de 5 anos falam língua da etnia em casaElza Fiúza/Agência Brasil

Os índices estão, no entanto, abaixo dos nacionais: 6% entre não negros, 13,2% entre negros e 23,3% entre indígenas. “Não se pode ignorar, no entanto, o fato de que grande parte da população indígena brasileira reside em terras indígenas, algumas isoladas, e com tradições educacionais próprias, nem sempre havendo alfabetização em português, nos critérios urbanos e da população não indígena”, explica o estudo.

Em relação a manutenção da língua, no DF, 3,1% dos indígenas com mais de 5 anos falam língua indígena no domicílio. O índice é inferior ao nacional: em todo o país, os indígenas residentes fora de terra demarcada utilizam menos a língua de seu povo, mesmo assim esse índice chega a 12,7%. Nos territórios reconhecidos pela União 63,7% falam a língua materna na residência.

Os indígenas vivem, em sua maioria, em cidades do DF ou no Entorno – apenas 7,3% vivem em Brasília. Ceilândia é a cidade que concentra a maior porcentagem, 13%, seguida de Planaltina, 8,6% e Samambaia, 8,5%. Em relação à origem, 22% nasceram no DF. Os demais, vieram principalmente da região Nordeste, 40,2%, e Norte, 17,3%.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Barra Do Corda portal de notícias, tudo sobre a nossa cidade com:

Rapidez, Verácidade e Ética.

Não se esqueça de se inscrever para receber nossas notícias. Digite seu e-mail e saiba tudo sobre Barra do Corda a nossa cidade.

Informações

Chat
Enviar via WhatsApp
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com