Entidades de direitos humanos acompanham conflito no Maranhão

Representantes da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) do Maranhão, Pastoral da Terra e Secretaria Estadual de Direitos Humanos se reuniram na quarta-feira (3) na cidade de Viana, a 220 km de São Luís. O objetivo é acompanhar de perto a situação dos índios da etnia Gamela que entraram em confronto com fazendeiros pela disputa de terras no povoado Bahias.

Segundo a Fundação Nacional dos Índios (FUNAI), 13 índios ficaram feridos e três índios ainda permanecem internados no Hospital Tarquínio Lopes Filho, em São Luís. Quatro proprietários rurais também apresentaram ferimentos, segundo constatado pela reportagem da TV Mirante.

Índios feridos no Maranhão (Foto: Lunaé Parracho/Reuters)

Índios feridos no Maranhão (Foto: Lunaé Parracho/Reuters)

O boletim médico da Secretaria de Estado da Saúde (SES) de quarta-feira (3), diz que os três índios gamelas internados no Hospital Dr. Tarquínio Lopes Filho estão estáveis. O paciente José André Ribeiro segue sob cuidados, com uso de antibióticos para tratamento da lesão pulmonar.

Já Aldeli de Jesus Ribeiro recebeu alta da UTI, com boa evolução do quadro lesional, sem dores e segue o tratamento com antibióticos e exames de controle. José de Ribamar Mendes permanece em estado de observação com estabilidade clínica e sem dores, cumprindo protocolo de antibioticoterapia.

Uma força-tarefa envolvendo agentes da Polícia Civil, Polícia Federal, Poder Judiciário e Ministério Público Federal já iniciou a investigaçãopara coordenar as investigações e identificar todos os agressores.

Segundo o Conselho Indigenista Missionário (Cimi), os índios gamelas têm uma presença histórica nessa região. Desde a época do descobrimento, ocupavam uma área que vinha desde o Piauí até essa região no norte maranhense. Aos poucos, foram perdendo espaço e há três anos iniciaram o que estão chamando de reocupação de parte das terras perdidas.

OAB, Pastoral da Terra e Secretaria de Direitos Humanos foram até o interior do Maranhão (Foto: Reprodução TV Mirante)

OAB, Pastoral da Terra e Secretaria de Direitos Humanos foram até o interior do Maranhão (Foto: Reprodução TV Mirante)

Segundo a Pastoral da Terra, a demora na demarcação de terras indígenas no Maranhão tem acirrado os ânimos entre proprietários rurais e índios. “Quando o estado se ausenta se torna uma situação que certamente vai virar conflito”, afirmou Ronilson Costa, coordenador estadual da Pastoral da Terra.

O Procurador da República, Hilton de Melo, chegou a dizer que o Ministério Público Federal teme novo ataque aos indígenas no Maranhão.

Dados do Conselho Indigenista Missionário dão conta de que no ano passado, oito lideranças indígenas foram assassinadas no Maranhao. Uma delas, da etnia Gamela. Na lista de 72 lideranças ameaçadas de morte da Pastoral da Terra, há 12 indígenas, sendo oito Gamelas. Atualmente há seis etnias aguardando demarcação de terras pela Funai no Maranhão.

Confronto foi no município de Viana (Foto: Arte / G1)

Confronto foi no município de Viana (Foto: Arte / G1)

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Barra Do Corda portal de notícias, tudo sobre a nossa cidade com:

Rapidez, Verácidade e Ética.

Não se esqueça de se inscrever para receber nossas notícias. Digite seu e-mail e saiba tudo sobre Barra do Corda a nossa cidade.

Informações

Chat
Enviar via WhatsApp
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com