Entenda o que o STF decidiu sobre o ex-presidente Lula

Após mais de dez horas de sessão, os ministros do Supremo Tribunal Federal(STF) rejeitaram dois pedidos da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para que o petista não fosse preso após o esgotamento de seus recursos em segunda instância. As decisões aproximam o ex-presidente do cumprimento da pena mas não a tornam automática, restando ainda possibilidades de contestação da decisão.

Primeiro, esteve em pauta um habeas corpus preventivo. O pedido questionava o acórdão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), que, ao condenar o ex-presidente a 12 anos e um mês pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro no processo do tríplex do Guarujá (SP), determinou a execução da pena tão logo não restem mais possibilidades de contestação da sentença em segundo grau.

Este pedido foi rejeitado, por 6 votos a 5. A posição majoritária foi a do relator, o ministro Edson Fachin. Ele argumentou que não era possível apontar uma “ilegalidade” na decisão do TRF4, uma vez que esta se baseia em um entendimento do próprio Supremo, que permite a prisão provisória. Assim, para o STF, a autoridade judicial originária – isto é, o juiz Sergio Moro – está autorizada, até segunda ordem, a determinar a execução da pena de Lula.

O ex-presidente não será preso automaticamente porque ainda pode apresentar um último recurso à segunda instância, que são os “embargos dos embargos”, uma contestação da decisão que rejeitou seus embargos de declaração na semana passada. O prazo para que apresente esse recurso é a próxima terça-feira, dia 10.

Existe ainda a possibilidade de que o tribunal de Porto Alegre decida que esta é uma medida apenas protelatória, ou seja, que pretende apenas postergar a condenação. Nesse caso, o TRF4 poderia autorizar Moro a expedir o mandado de prisão antes de analisar os “embargos dos embargos”. Portanto, será necessário aguardar os próximos movimentos da defesa de Lula e do TRF4 para cravar o destino do ex-presidente.

Uma outra argumentação, apresentada de última hora pelo advogado José Roberto Batochio, que defende o petista, foi tentar postergar a validade de um salvo-conduto que protegia Lula desde o início da decisão sobre o habeas corpus, há duas semanas. Ele se baseou na existência de duas ações de efeito geral que pretendem reverter o entendimento do STF sobre a prisão em segunda instância.

A lógica era a seguinte: se a Corte ainda terá de decidir sobre as prisões, os pedidos da defesa não estão encerrados com a negativa do habeas corpus e, portanto, ficaria justificada a liberdade do ex-presidente até que houvesse uma posição definitiva.

Esse pedido também foi rejeitado, agora por 7 votos a 3. O lado que foi a favor do habeas corpus ficou enfraquecido sem Gilmar Mendes, que viajou logo após votar, e Dias Toffoli, que considerou que a argumentação da defesa não encontrava base na realidade, uma vez que o salvo-conduto era exclusivo para o habeas corpus e não para a questão da prisão em segunda instância em si.

Não por isso a reversão do atual entendimento do STF deixou de ser a esperança do petista: é provável que nas próximas semanas cresça a pressão para que a presidente Cármen Lúcia coloque o tema em votação, quando provavelmente seria revertido, uma vez que a ministra Rosa Weber deixou claro na sessão iniciada nesta quarta que votou contra seu entendimento pessoal para privilegiar a “colegialidade”.

Até lá, é provável que os recursos do TRF4 sejam esgotados e o ex-presidente passe ao menos um período na cadeia. Em setembro deste ano, o ministro Dias Toffoli substituirá Cármen Lúcia na presidência da Corte e, caso o tema não tenha ido ao plenário até lá, deve colocá-lo em votação. Ele é contra a prisão em segunda instância.

Durante mais de dez horas de sessão, os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitaram dois pedidos da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para que o petista não fosse preso após o fim de seus recursos em segunda instância. A decisão não significa que Lula será preso automaticamente, mas abre caminho para que uma decisão do tipo ocorra nas próximas semanas.

O ex-presidente foi condenado a 12 anos e um mês de prisão pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), tribunal que entende, a partir de um entendimento do Supremo, que a execução da pena deva ocorrer assim que estejam esgotados os recursos no segundo grau.

Fonte: Leonardo Lellisveja. abril.com.br

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Barra Do Corda portal de notícias, tudo sobre a nossa cidade com:

Rapidez, Verácidade e Ética.

Não se esqueça de se inscrever para receber nossas notícias. Digite seu e-mail e saiba tudo sobre Barra do Corda a nossa cidade.

Informações

Chat
Enviar via WhatsApp
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com