Câmara adia votação para criar nova taxa de juros ao BNDES

Após quase seis horas de discussão, a Câmara dos Deputados adiou, na madrugada desta quinta-feira (24), a votação da medida provisória que cria a nova taxa de juros do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), a Taxa de Longo Prazo (TLP).

Se aprovada, a taxa será usada nos empréstimos concedidos pelo banco. A TLP substituirá a atual Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP) – saiba detalhes sobre a nova taxa mais abaixo.

Os deputados discutiram a MP por cerca de cinco horas e 40 minutos, mas sequer analisaram o chamado texto-base, aprovado pela comissão mista do Congresso. Com isso, uma nova sessão foi marcada para as 9h desta quinta.

Durante a sessão, a oposição usou recursos regimentais para atrasar a votação, o que fez com que a sessão se arrastasse sem que houvesse uma decisão sobre o conteúdo da MP. Cansados, muitos deputados começaram a deixar o plenário no fim da noite de quarta (23) e no início da madrugada de quinta.

Como muitos deputados haviam deixado o plenário, o quórum de 257 parlamentares só foi atingido pela base aliada do governo por volta das 2h10, mas o plenário só decidiria, naquele momento, sobre destaques apresentados por deutados.

Como o quórum não era atingido, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), então, aguardou cerca de uma hora para atingir o número de 257 deputados em plenário, mínimo exigido para manter uma votação.

Por se tratar de uma medida provisória, a MP entrou imediatamente em vigor, a partir da publicação pelo governo, em abril. Para se tornar uma lei efetiva, porém, precisa ser aprovada pelo Congresso até o próximo dia 7 de setembro.

Entenda a TLP

A nova taxa substituirá a TJLP nos empréstimos do BNDES que utilizam recursos do Fundo de Participação PIS-Pasep, do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) e do Fundo da Marinha Mercante (FMM).

Pela proposta, a TLP será utilizada como referência pelos contratos assinados pelo BNDES a partir de 1º de janeiro de 2018.

De acordo com a equipe econômica do governo, o objetivo da substituição da TJLP é fazer com que a nova taxa aproxime as condições de empréstimos do BNDES às praticadas pelo mercado.

Taxas de juros

Enquanto a TJLP está próxima de 7% ao ano, estima-se que a nova taxa, a TLP, ficaria, no prazo de cinco anos, entre 9% e 9,5%. Ou seja, mais alta, e próxima à taxa básica de juros (Selic), atualmente em 9,25%.

Com isso, o governo espera reduzir as despesas com subsídios derivados da diferença entre a taxa paga pelo Tesouro Nacional para captar recurso do mercado, que é mais alta, da taxa que o BNDES cobra nos empréstimos, que é mais baixa.

Para equacionar essa diferença, o Tesouro precisa emitir títulos públicos, o que eleva a dívida do governo federal.

Esses subsídios são chamados de implícitos, porque acabam não aparecendo no orçamento. Segundo cálculos do governo, nos últimos 10 anos, o montante desses subsídios somou R$ 240 bilhões.

O setor produtivo critica a medida. Na visão de representantes da indústria, o projeto pode dificultar investimentos de empresas que tomam empréstimo junto ao BNDES.

Fonte: Fernanda Calgaro, G1, Brasília

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Barra Do Corda portal de notícias, tudo sobre a nossa cidade com:

Rapidez, Verácidade e Ética.

Não se esqueça de se inscrever para receber nossas notícias. Digite seu e-mail e saiba tudo sobre Barra do Corda a nossa cidade.

Informações

Chat
Enviar via WhatsApp
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com