Caixa deverá vender ativos para evitar aporte do governo, diz presidente do banco

SÃO PAULO – A Caixa Econômica Federal deve vender ativos e cortar dividendos para não ter de pedir ao governo uma injeção de capital em 2018, disse o presidente da instituição, Gilberto Occhi, ao “Wall Street Journal”, citando planos para abertura de capital da Caixa Seguridade e a possibilidade de vendar o controle da Lotex. “Estamos tomando uma série de medidas para reduzir a probabilidade de precisar de capital do governo (em 2018)”, afirmou. O objetivo é equilibrar o balanço, prejudicado por empréstimos duvidosos, num momento em que se prepara para se enquadrar no conjunto de regras de requerimento de capital conhecido como Basileia 3.

Occhi não descartou, porém, a necessidade uma injeção de capital. “Precisamos avaliar o cenário, para ver se o governo vai concordar em reduzir os dividendos e também o avanço dos planos para vendera ativos”, disse ao jornal americano. “Também depende do mercado, como a economia vai se comportar no ano que vem.”

A Caixa, conta a reportagem, está fazendo planos para o IPO (oferta inicial de ações) da Caixa Seguridade e considera vender o controle da Lotex, sua divisão de loterias. Os dois movimentos aconteceriam em 2017 “se o mercado de capitais permitir”, disse o presidente do banco. Outra possibilidade é vender a fatia de 49% que a Caixa tem no Banco Pan, mas, conforme o “WSJ”, Occhi negou que a Caixa esteja negociando com potenciais compradores. Ele também disse que a fatia de 5,82% na JBS, maior processadora de carne do mundo, será liquidada, mas não deu datas. “Não está na estratégia de longo prazo do banco”.

O periódico explica que, durante o governo Dilma, a Caixa se tornou uma importante fonte de receitas para o governo: de 2010 a 2014, a instituição transferiu 100% de seus lucros para o Tesouro, conforme Occhi. O índice caiu para 50% em 2015, quando as preocupações com a inadimplência saltaram aos olhos. Agora, a ideia é reduzir o índice para 25%, o mínimo exigido por lei, disse o executivo.

O “WSJ” trata de como a recessão afeta a Caixa, embora a instituição ainda seja lucrativa: a inadimplência subiu e os lucros caíram. O índice de alavancagem, indicador de saúde financeira do setor, caiu de 14% no segundo trimestre de 2015 para 12,78% em igual período e está abaixo das taxas verificadas no setor privado. O jornal afirma que a instutição está pagando pela forte ampliação do crédito no governo de Dilma Rousseff — especialmente com linhas de risco, como empréstimos pessoas e para compra de veículos, no esforço para estimular a economia — e lembra que a Caixa há muito é usada pelos governos para implementar suas políticas.

“De 2009 a 2015, a Caixa transferiu um total de R$ 27 bilhões para o governo”, destaca a publicação, citando Occhi.

Conforme a reportagem, a Caixa planeja incrementar a carteira de crédito em 7% neste ano, abaixo dos 12% do ano passado. E está focado em reduzir a taxa de inadimplência, que cresceu de 2,85% no segundo trimestre de 2015 para 3,2% para o mesmo período deste ano.

POR O GLOBO

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Barra Do Corda portal de notícias, tudo sobre a nossa cidade com:

Rapidez, Verácidade e Ética.

Não se esqueça de se inscrever para receber nossas notícias. Digite seu e-mail e saiba tudo sobre Barra do Corda a nossa cidade.

Informações

Chat
Enviar via WhatsApp
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com