Aumento de preços dos combustíveis à vista no Brasil, dizem analistas

Se o preço do petróleo subir, a gente tem de reagir a este evento, que é o aumento do preço da commodity, sim. Se sobe, sobe; se desce, desce”, disse o presidente da Petrobras, Pedro Parente, em entrevista ao GLOBO no fim de dezembro. Diante da atual política da estatal de revisão mensal dos preços dos combustíveis, especialistas alertam que se pode esperar para breve novo reajuste. E defendem que a empresa deveria fazer as revisões de preços a cada dois ou três meses.

De acordo com Flávio Conde, da Whatscall Consultoria, de 6 de dezembro — quando ocorreu o último aumento dos combustíveis — até ontem, o preço do barril de petróleo brent aumentou 17% em reais, passando de R$ 154,30 para R$ 177,64. Em dólar, o valor pulou de US$ 44,50 para US$ 54,16. Já na costa do Golfo dos Estados Unidos, o preço da gasolina aumentou cerca de 12% e o do diesel, 7%.

Para Conde, a manutenção do preço do petróleo em torno de US$ 60 o barril vai depender que, pelo menos, metade da meta de redução da produção proposta pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) seja atingida:

— Vai ser uma prova de fogo para o presidente da Petrobras manter a política de revisão mensal. Por causa do momento difícil e do efeito cascata na economia que cada aumento provoca.

O executivo disse que, por todos os efeitos na economia, a revisão dos preços dos combustíveis deveria ser trimestral.

— A economia brasileira é indexada, diferentemente do que ocorre nos Estados Unidos onde os preços variam diariamente. E lá os preços da energia não afetam a inflação — afirmou Conde.

O economista-chefe da RC Consultores, Marcel Caparoz, também defende que a revisão dos preços dos combustíveis pela Petrobras deveria ter uma periodicidade maior, como a cada dois meses.

— O petróleo e o câmbio são muito voláteis, então é mais justo realmente como a Petrobras está fazendo agora. Mas gera uma instabilidade a mais no mercado, no dia a dia das empresas, como as de frete e de ônibus. Isso provoca muita instabilidade no planejamento — comentou Caparoz.

O economista também ressaltou que a economia brasileira é muito diferente da americana para que os combustíveis tenham tanta volatilidade de preço. Segundo Caparoz, a Petrobras opera no mercado brasileiro quase como um oligopólio, o que faz os preços terem forte impacto na economia como um todo. Em sua opinião, se a companhia mantiver sua política atual, a alta da cotação do petróleo no mercado internacional vai pressionar a Petrobras a fazer novos reajustes de preços.

Segundo levantamento da RC Consultores, a cotação do petróleo WTI também aumentou 7,9% desde o último reajuste de preços até ontem. Caparoz alerta que o comportamento do petróleo é imprevisível. Se, de um lado, a Opep conseguir reduzir a produção e elevar os preços do produto, de outro pode estimular o aumento da produção do óleo e gás não convencionais nos Estados Unidos.

Fonte: RAMONA ORDOÑEZ do site http://oglobo.globo.com/

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Barra Do Corda portal de notícias, tudo sobre a nossa cidade com:

Rapidez, Verácidade e Ética.

Não se esqueça de se inscrever para receber nossas notícias. Digite seu e-mail e saiba tudo sobre Barra do Corda a nossa cidade.

Informações

Chat
Enviar via WhatsApp
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com