TCU aponta aditivos milionários em obras da Petrobras

Relatórios do Tribunal de Contas da União (TCU), aos quais o Jornal Nacional teve acesso com exclusividade, apontam que obras da Petrobras investigadas na Operação Lava Jato tiveram aditivos bilionários que chegaram a quintuplicar os valores dos contratos.

Foi o caso da refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco. Um aditivo aumentou o valor do contrato em R$ 150 milhões, 568% a mais do valor inicial. Em 2005, a previsão de custo da obra era de R$ 7,4 bilhões. Até o final do ano passado, foram gastos na construção da refinaria R$ 35,7 bilhões – quase cinco vezes mais.

Outro caso é do gasoduto Coari-Manaus, que teve aditivos de R$ 563 milhões: 84% acima do contratado, segundo apurou o Jornal Nacional.

Aditivos são mudanças feitas depois da assinatura de um contrato, que permitem novos serviços, prazos mais longos e aumento de valores. O decreto que regulamenta os negócios da Petrobrasdiz que os aditivos só podem custar 25% do valor atualizado do contrato.

Ao falar na CPI da Petrobras sobre os aditivos, um dos acusados na Operação Lava Jato, o ex-gerente da estatal Pedro Barusco, disse que “em grande parte deles, a exemplo dos contratos, também havia um percentual de propina”.

Comperj
No ano passado, o TCU identificou aditivos de alto valor em obras do Comperj. Quatro unidades industriais receberam R$ 5,5 bilhões em contratos. E mais R$ 2,2 bilhões só em aditivos.

O Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro é uma das maiores obras da história da estatal e seu orçamento, em 2008, era de US$ 8,4 bilhões – na época, cerca de R$ 16,8 bilhões. Hoje, sete anos depois, o custo, mesmo em dólares, aumentou quase quatro vezes: 30,5 bilhões – em reais são 95 bilhões.

Segundo o TCU, a Petrobras fechou contratos de R$ 7,6 bilhões sem concorrência nas obras do Comperj. A empresa alegou falta de tempo para licitações e possibilidade de atraso.

Apesar dos aditivos e da urgência, atualmente as obras do complexo estão praticamente paradas. Para o tribunal, as obras do Comperj foram feitas “sem a devida maturação dos projetos e sem uma avaliação prévia dos riscos envolvidos”.

Segundo a Petrobras, a razão do aumento nos valores foram mudanças no projeto, reajustes, variação cambial e aditivos. Mas a Operação Lava Jato revelou que uma parcela dos recursos foi desviada dos contratos.

Em nota, a Petrobras afirmou que presta os esclarecimentos necessários ao TCU sobre as obras em andamento. A estatal disse ainda que os aditivos contratuais respeitam as exigências da lei e só são aprovados após uma avaliação técnica. Segundo a empresa, a negociação dos valores é feita por uma comissão interna.

Fonte:  G1 em São Paulo

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Barra Do Corda portal de notícias, tudo sobre a nossa cidade com:

Rapidez, Verácidade e Ética.

Não se esqueça de se inscrever para receber nossas notícias. Digite seu e-mail e saiba tudo sobre Barra do Corda a nossa cidade.

Informações

Chat
Enviar via WhatsApp
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com