Governo diz estar engajado em atacar problemas apontados pela Moody’s

O Ministério da Fazenda declarou por nota nesta quinta-feira (10) que “está engajado em atacar” os problemas apontados pela agência de classificação Moody’s que levaram à revisão da nota de crédito para possível rebaixamento do país na véspera.

Estes problemas, afirma a Fazenda citando a agência, têm relação com “dificuldades oriundas do ambiente político e da capacidade do governo em implantar medidas para corrigir e executar políticas que levem a resultados fiscais consistentes com uma trajetória mais positiva de endividamento público”.

Em nota, o governo também reconheceu os “crescentes desafios para conter a deterioração do custo e tamanho do endividamento público, para assegurar a consolidação fiscal e a consequente piora do ambiente econômico impedem a retomada do investimento e da atividade, criando riscos ainda maiores para a qualidade do crédito soberano”.

“Nesse sentido, os encaminhamentos requerem sacrifícios e o governo está engajado em atacar esses problemas, revendo a natureza legal, regulamentar e administrativa das despesas que, quando reduzidas, contribuirão para reverter o déficit fiscal e estabilizar a trajetória da dívida”, afirmou a Fazenda.

Ainda segundo o governo, uma vez dissipadas as incertezas quanto à trajetória fiscal, é esperado um aumento gradativo da confiança necessária à recuperação do investimento e ao crescimento econômico, com impactos positivos nos indicadores de emprego. A Fazenda também mencionou a necessidade de avançar em reformas como a do ICMS e do PIS/Cofins.

Levy compara a futebol
Mais cedo, em evento em São Paulo, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, já havia comentado a decisão da Moody’s. Ele recorreu ao futebol para comentar o iminente rebaixamento do Brasil e perda de grau de investimento por uma segunda agência de classificação de risco.

“A questão do rebaixamento é reflexo da realidade. É que nem campeonato de futebol, se você não se reorganiza, você não consegue ter união e o resultado é sério”, disse. “Evidentemente depois você tem que trabalhar e tentar voltar. Sempre se é possível voltar para a divisão que acha que você pertence”, completou Levy, que participou de almoço anual de confraternização dos dirigentes de bancos (Febraban).

O ministro é torcedor do Botafogo – time que garantiu o retorno à Série A em 2016, após o rebaixamento que levou o clube a disputar este ano a Série B do campeonato brasileiro.

Rebaixamento
A Moody’s informou na quarta-feira (9) que colocou a nota do Brasil, que está no último degrau do grau de investimento pela agência de risco, em revisão para possível novo corte. Isso significa que, se a nota do Brasil for mesmo cortada, o país perde o selo de bom pagador por esta agência. Com este anúncio, o Brasil fica mais próximo de perder o grau de investimento por uma segunda agência internacional de classificação de risco;

Em setembro, o Brasil perdeu o grau de investimento na classificação de crédito da Standard and Poor’s (S&P). A nota do país foi rebaixada de “BBB-” para “BB+”, com perspectiva negativa.

Empresas brasileiras também podem ser rebaixadas
Também nesta quarta, a Moody’s anunciou o terceiro corte no ano da nota da Petrobras. O rating da petroleira foi rebaixado de “Ba2” para “Ba3” – 3 degraus abaixo do grau de investimento. A companhia já tinha perdido o selo de bom pagador pela agência em fevereiro.

Nesta quinta, a agência informou que as notas de empresas brasileiras também foram colocadas em revisão para possível rebaixamento.

A Moody’s decidiu ainda cortar a nota da Vale de Baa2 para Baa3, último degrau dentro do grau de investimento pela agência. A perspectiva continua negativa, ou seja, com previsão para um possível novo rebaixamento.

Estados
A Moody’s também colocou a nota de crédito dos estados de São Paulo, Minas Gerais, Maranhão e Paraná, além da cidade de Belo Horizonte e do Rio de Janeiro, em revisão para um possível rebaixamento.

“A deterioração contínua da economia do Brasil tem e continuará tendo impacto direto sobre o ambiente operacional de estados e municípios brasileiros. Além disso, a situação fiscal de estados e municípios brasileiros está enfraquecida em 2015, que continuarão a ser pressionados pela diminuição das receitas fiscais e pela rigidez dos gastos no futuro próximo”, apontou a agência em nota.

agências de classificação de risco Brasil (Foto: Editoria de Arte/G1)

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Barra Do Corda portal de notícias, tudo sobre a nossa cidade com:

Rapidez, Verácidade e Ética.

Não se esqueça de se inscrever para receber nossas notícias. Digite seu e-mail e saiba tudo sobre Barra do Corda a nossa cidade.

Informações

Chat
Enviar via WhatsApp
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com